04:41 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Dilma Rousseff (foto de arquivo)
    Evaristo Sá/AFP

    'Dilma não deveria ir mesmo à abertura dos Jogos Olímpicos'

    Brasil
    URL curta
    0 82
    Nos siga no

    Em entrevista à rádio Educadora, de Uberlândia (MG), a presidente afastada Dilma Rousseff afirmou ter recusado o convite para participar da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos no Rio, no dia 5 de agosto. Dilma justificou a recusa afirmando que não quer fazer parte do evento como "espectadora", porque trabalhou duro na preparação do evento.

    A presidente afastada observou também que toda a preparação para garantir a segurança da Rio 2016 foi tomada até seu afastamento em maio por ocasião da aprovação do processo de impeachment no Senado. A questão vai ser resolvida definitivamente no fim de agosto com nova votação em plenário.

    Com relação à polêmica das obras mal acabadas da Vila Olímpica, que têm motivado várias queixas das delegações estrangeiras, Dilma disse que as obras na Barra e na Vila de Deodoro estão finalizadas em todos os aspectos, quer de infraestrutura, energia ou segurança.

    "A Vila dos Atletas, que é responsabilidade da Prefeitura do Rio, é a única que têm problemas e que têm que ser resolvidos."

    O presidente da Sociedade Brasileira de Direito Internacional, Antônio Celso Alves Pereira, diz que o Brasil está vivendo há algum tempo uma trajetória tremendamente inusitada e que, politicamente, o fato de o país ter dois presidentes, um de fato e outro de direito, pode contribuir para a presença de um menor número de dirigentes mundiais na Rio 2016. Segundo fontes ouvidas pela Sputnik Brasil, uma das razões que teria feito Dilma recusar o convite seria o fato de que, na abertura da cerimônia, a presidente afastada seria instalada em um espaço da arena olímpica destinado aos ex-presidentes.

    "Acontece de tudo desagradável para o prestígio do país, e agora essa situação de dois presidentes, uma que está afastada por razões do processo de impeachment, mas continua sendo a presidente da República, e o presidente interino Michel Temer, que preside de fato. Seria uma indelicadeza com ela colocá-la em um local de ex-presidentes. Vários chefes de estado não comparecerão à abertura, como se esperava, também por causa dessa situação, que é muito complicada. Ela tem razão em não aceitar. Afinal, ela ainda é a presidente da República."  

    Alves Pereira justifica a ausência de alguns dignatários pela situação atual de insegurança vivida no mundo com a onda de atentados terroristas. Segundo ele, os Estados Unidos estão envolvidos com questões muito sérias de segurança e também com as eleições e os presidentes europeus estão vivendo momentos muito difíceis com a série de atentados na França, na Alemanha e em outros países.

    Até agora, o Itamaraty confirmou a presença  de cerca de 90 chefes de estado. Entre as grandes ausências, até agora, estão as do presidente americano Barack Obama e do presidente russo Vladimir Putin.

    Mais:

    Putin: Medalhas dos Jogos Rio 2016 serão 'desvalorizadas'
    Rio 2016 receberá a maior delegação já enviada pela China
    Tags:
    Olimpíadas, presidentes, ex-presidentes, direito internacional, impeachment, segurança, Vila Olímpica, Senado, Prefeitura do Rio de Janeiro, Comitê Rio 2016, Michel Temer, Barack Obama, Vladimir Putin, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar