15:05 23 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    308
    Nos siga no

    Em última votação antes do recesso, a Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira, por 337 votos a favor e 105 contra, o regime de urgência para o PL 4567/16, que retira a obrigatoriedade de atuação da Petrobras como operadora única dos blocos contratados pelo regime de partilha de produção em áreas do pré-sal, informou Agência Brasil.

    Com o resultado, a matéria deve ser uma das primeiras a ser apreciada após o recesso parlamentar. O tema é de interesse do governo do presidente interino, Michel Temer, que vê na medida um mecanismo para atrair petroleiras estrangeiras, uma vez que a Petrobras reduziu os investimentos para a extração no pré-sal.

    A lei atual determina que a Petrobras será a operadora de todos os blocos do pré-sal contratados sob o regime de partilha de produção. Isso significa que quem vencer os leilões deverá constituir, juntamente com a estatal, um consórcio para exploração do bloco licitado. Nesse consórcio, a lei estabelece que a estatal terá participação mínima de 30%.

    Contudo, o projeto de alteração das regras enfrenta forte resistência de parlamentares da oposição, acusam o governo de retirar estatal do processo de produção do pré-sal.

    Mais:

    Petróleo de boa qualidade é encontrado em novo poço no pré-sal
    Lula defende empresas públicas e o sistema de partilha do pré-sal, durante ato no Rio
    Petrobras: Parente quer revisão da lei do pré-sal para acelerar exploração
    Sibá Machado: ‘Redução de peso da Petrobras no pré-sal é ato de lesa-pátria’
    Bendine é contra o fim do regime de partilha no pré-sal
    Tags:
    petróleo, partilha, pré-sal, Petrobras, Câmara dos Deputados, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar