03:40 28 Janeiro 2021
Ouvir Rádio

    Paes diz que Estado tem que tomar vergonha na cara e garantir segurança e saúde para o Rio

    Brasil
    URL curta
    321
    Nos siga no

    Faltando 32 dias para o início dos Jogos Olímpicos Rio 2016, o Prefeito do Rio, Eduardo Paes se manifestou no fim de semana sobre o roubo de equipamentos de duas emissoras de TV da Alemanha, que aconteceu na Av Brasil, na semana passada (30/6). Ao falar com a imprensa no sábado (2), Paes criticou duramente a falta de segurança no Estado.

    Segundo o Eduardo Paes, está faltando comando do Governo do Rio para garantir o policiamento na cidade.

    “Está no limite. Está faltando um mínimo de comando, para que a gente dê uma cessada. Não pode virar esse desmando de insegurança no Rio. E não venha me dizer que isso é problema social, porque problema social tem em São Paulo, Recife, Belo Horizonte e nós não vemos isso. Nós esperamos das forças policiais do Estado é que cumpra com usa obrigação, ao menos essa obrigação.”

    O Prefeito do Rio criticou ainda as declarações feitas pelo Secretário Estadual de Saúde, Luiz Antônio Teixeira de que o Estado está com dificuldades para manter as unidades hospitalares em funcionamento, e que as emergências podem fechar as portas novamente às véspera dos Jogos. Segundo Eduardo Paes, o Estado precisa tomar vergonha na cara e aprender a gerenciar custos.

    "Eu acho que quem fizer isso depois dessa ajuda federal é melhor ir embora pra casa, melhor se demitir, sair fora, pedir o boné e ir embora. Não é possível. Acho que já deu ponto. O estado já passou muita responsabilidade para o município, recebeu dinheiro do governo federal, tá na hora de fazer gestão, tomar vergonha na cara e cumprir com as suas obrigações. É um absurdo um secretário dizer isso a essa altura do campeonato.  Que hospital que ele tem, ele tem o que hoje na cidade do Rio de Janeiro? Vai aprender a gerenciar, vai economizar custo.” 

    Nesta segunda-feira (4), o Governo do Estado do Rio começou a usar a verba de R$ 2,9 bilhões liberada pelo Governo Federal,  e que vai ser utilizada na segurança do Rio de Janeiro durante a Olimpíada. 

    Há 17 dias o Governador em exercício do Rio, Francisco Dornelles decretou estado de calamidade pública no Rio, por conta da crise financeira. Na ocasião, Dornelles disse que a crise afetaria a segurança durante os Jogos Rio 2016.

    Com a verba em caixa, o Governo do Rio começou a pagar nesta segunda-feira (4), a segunda parcela dos salários atrasados e benefícios de maio dos servidores ativos, inativos e pensionistas da área de segurança, incluindo os policiais militares e civis, os bombeiros e servidores da administração penitenciária.

    De acordo com o governador em exercício, Francisco Dornelles, a prioridade é com os servidores, por isso o Estado vai começar a utilizar os recursos do Governo Federal com eles. Dornelles garantiu ainda que, “com a verba enviada ao Rio pelo presidente interino Michel Temer e com o empenho das polícias militar e civil, vamos ter as Olimpíadas mais seguras da história.”

    Segundo o Governo do Rio, os recursos doados pelo Governo Federal também vão garantir a folha de pagamento de junho, a RAS – Regime Adicional de Serviço ainda pendentes,  além da RAS olímpica, no valor de R$ 43 milhões para 3 mil policiais que vão trabalhar durante os Jogos, entre julho e setembro, e da premiação do 1º semestre de 2015 do Sistema Integrado de Metas (SIM). Já  a premiação do Sistema Integrado de Metas relativa ao 2° semestre de 2015 será paga na folha de agosto, no décimo dia útil de setembro.

    Mesmo com a retomada do pagamento dos benefícios, um grupo de Policiais Civis do Rio fez na manhã desta segunda-feira (4) um novo protesto no Aeroporto Internacional Tom Jobim contra o atraso nos salários. Os Policiais mais uma vez estenderam para os passageiros que chegavam de voos internacionais no Terminal 2 do aeroporto a faixa em inglês com os dizeres  “Bem-vindo ao inferno. A polícia e os bombeiros não receberam pagamento, quem vier para o Rio de Janeiro não estará seguro."

     

    Tags:
    saúde pública, crise econômica, segurança, Jogos Rio 2016, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Prefeitura do Rio de Janeiro, Brasil, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar