12:22 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Sessão do Supremo Tribunal Federal (STF)

    Operação Custo Brasil: STF manda soltar Paulo Bernardo

    José Cruz/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    824

    A prisão do ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo foi revogada nesta quarta-feira (29) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli, segundo informações da Folha de S. Paulo.

    Paulo Bernardo, casado com a senadora Gleisi Hoffmann (PT), é acusado de ter se beneficiado de propinas de cerca de R$100 milhões derivadas de contratos do Ministério do Planejamento entre 2010 e 2015. 

    Segundo Toffoli, houve um “flagrante constrangimento ilegal” na detenção do ex-ministro petista, preso desde o último dia 23 de junho no âmbito da Operação Custo Brasil, um desdobramento da Lava Jato.

    Na avaliação do STF, a decisão do juiz federal de primeira instância de mandar prender Paulo Bernardo se baseou, "de modo frágil", na conclusão pessoal de que, pelo fato de ser ex-ministro e de ter ligação com outros investigados, bem como a empresa suspeita de ter cometido as irregularidades, o petista "poderia interferir na produção de provas". 

    O magistrado do STF concedeu então, em resposta a um pedido feito pelo advogado do réu, um habeas corpus de ofício em favor de Paulo Bernardo.

    Além da revogação da prisão preventiva, Toffoli determinou que a Justiça de São Paulo avalie a aplicação de medidas cautelares alternativas, como o uso de tornozeleira eletrônica.


    Mais:

    Rodrigo Janot: ‘A Lava Jato, por si só, não salvará o Brasil’
    PF prende em desdobramento da Lava Jato ex-Ministro dos governos Lula e Dilma
    PGR apresenta terceira denúncia contra Cunha na Lava Jato ao STF
    Renan nega acordo para barrar eventual pedido de prisão na Lava Jato
    Tags:
    propina, Operação Lava Jato, Operação Custo Brasil, liberdade, prisão, Ministério do Planejamento, PT, Polícia Federal, STF, Gleisi Hoffmann, Dias Toffoli, Paulo Bernardo, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik