10:03 26 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Rio de Janeiro se prepara para os Jogos Olímpicos de 2016
    © Sputnik / Alexander Vilf

    Especialista: Calamidade pública é mal necessário para garantir dinheiro do Rio 2016

    Brasil
    URL curta
    102

    As dificuldades financeiras do Estado do Rio de Janeiro não afetarão a realização das Olimpíadas e Paralimpíadas 2016, mas é inevitável a repercussão negativa dessas dificuldades e da decretação de estado de calamidade pública.

    Esta é a convicção do economista Istvan Kasznar, da Fundação Getúlio Vargas, no Rio, para quem as Olimpíadas e Paralimpíadas devem servir de mote para que o Estado do Rio comece a pensar em sua recuperação econômica, investindo num dos seus recursos mais preciosos, o turismo, e fomentando o retorno de investimentos produtivos e industriais.

    Falando à Sputnik Brasil, Istvan Kasznar explica que “as atuais dificuldades financeiras do Estado do Rio de Janeiro são o reflexo mais doloroso do que representaram, na década de 60, a mudança da Capital Federal para Brasília e o progressivo esvaziamento econômico e industrial de que o Estado do Rio foi vítima. Mais recentemente, a queda das cotações mundiais do petróleo e os novos critérios de distribuição nacional dos royalties do combustível contribuíram para agravar a crise. Portanto, alguma coisa de muito urgente precisa ser pensada e oferecida à comunidade mundial para que o Estado inicie sua recuperação”.

    Sobre a decretação do estado de calamidade pública feita pelo governador em exercício do Estado do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, Istvan Kasznar comenta que “nesse momento complexo dá para entender perfeitamente”:

    “Ele [Francisco Dornelles] quer, no fundo, defender as Olimpíadas, que são eventos de ordem internacional. Então, está muito bem justificado. Temos que pensar que temos duas demandas: uma é a imediatista, dispor de verbas de aproximadamente R$ 2,9 bilhões para poder pagar as Olimpíadas, financiar o que é necessário para que obras funcionem bem, como a Linha 4 do Metrô, que vai até a Barra da Tijuca, onde ocorrerá grande parte desses Jogos Olímpicos a partir de 5 de agosto. Todavia, não é o suficiente dispor dessa verba, porque há uma diferença entre R$ 6,1 a 6,2 bilhões mensais de gastos, e algo na faixa de R$ 5 para 4,9 bilhões de receitas, que ainda estão em descendência, dada a depressão econômica do Rio de Janeiro e até a recessão econômica brutal do Brasil.”

    Mais:

    Comitê Organizador: estado de calamidade no Rio não afetará Olimpíada
    Rio decreta estado de calamidade pública para financiar Olimpíadas
    Tags:
    recessão, estado de calamidade pública, Jogos Olímpicos, Olimpíadas, Comitê Rio 2016, FGV, Francisco Dornelles, Istvan Kasznar, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar