09:09 20 Maio 2018
Ouvir Rádio
    PF investiga desvios estimados em R$ 19 bilhões em processos no CARF

    Presidente do Bradesco é indiciado pela PF na Operação Zelotes

    Brasil
    URL curta
    360

    O presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi, e outras nove pessoas, incluindo dois executivos do banco, foram indiciados pela Polícia Federal no âmbito da Operação Zelotes, que investiga a compra de decisões no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais).

    No inquérito, apresentado hoje ao Ministério Público Federal no Distrito Federal, a polícia aponta crimes de tráfico de influência, corrupção ativa, corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

    Logo após a divulgação da notícia, o Bradesco chegou a perder R$7 bilhões de reais, com as ações do banco apresentando uma forte queda durante toda a sessão, com seus pais fechando o dia em queda de 3,69%, e os ativos BBDC4 em desvalorização de 5%.

    Os investigadores acreditam que o Bradesco tenha negociado a contratação de um grupo que atuava para corromper conselheiros do Carf em troca de decisões favoráveis neste órgão, de forma a livrar ou atenuar as multas apresentadas ao banco. O Carf é uma espécie de tribunal administrativo responsável por julgar os recursos contra essas multas.

    A Procuradoria da República no Distrito Federal confirmou que irá analisar os elementos apontados para decidir se apresentará denúncia contra os indiciados à Justiça Federal.

    Mais:

    Situação e oposição discutem espetacularização da Polícia Federal no depoimento de Lula
    Polícia Federal prende vice-presidente do Facebook em São Paulo
    Polícia Federal também está na casa de Edison Lobão e no gabinete de Aníbal Gomes
    Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão na casa de Eduardo Cunha
    Polícia Federal indicia advogado que ameaçou de morte a Presidenta Dilma
    Tags:
    inquérito, Bradesco, Polícia Federal, Luiz Carlos Trabuco Cappi, Brasil, Distrito Federal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik