21:21 17 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Documentação relativa ao processo de impeachment chega ao Senado Federal
    Jane de Araújo/Agência Senado

    Governo e oposição se preparam para o xadrez do impeachment no Senado

    Brasil
    URL curta
    Pedido de impeachment de Dilma Rousseff (132)
    421

    Depois da derrota no Plenário, governistas ainda esperam reverter o andamento do impeachment no Senado. Já a oposição acha que é o fim do governo da Presidenta Dilma.

    Mesmo sendo o primeiro a reconhecer antes da votação terminar, que o governo não conseguiria barrar o impeachment na Câmara, o líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE) falou com a imprensa que ainda haverá muita luta nas ruas para impedir o afastamento da Presidenta Dilma do cargo. “Para o governo da Presidenta Dilma, ao reconhecer essa derrota provisória, não significa dizer que a luta terminou. A guerra não terminou. Nós vamos fazer um processo de mobilização social grande, dialogar com o Senado, e o Senado pode corrigir essa ação dos golpistas.”

    O líder do PSOL, deputado Ivan Valente, apesar de ter votado contra a abertura do processo de impeachment, não acredita que o governo consiga mudar a situação no Senado e defende novas eleições diretas. “Eu acho que não é possível reverter no Senado, porque os partidos fecharam questão. É bem possível que se tenha uma pressão das ruas por eleição direta. Temer também é rejeitado. Nós vamos viver um momento de impasse, de polarização política, e o PSOL se declara em oposição frontal a esse conlúio que foi feito.”

    O líder do PPS na Câmara, deputado Rubens Bueno, também já dá como certa a concretização do impeachment no Senado, para que, segundo o parlamentar, o Brasil retome a governabilidade. “O Brasil vai respirar sem o PT. Sem tudo isso que está acontecendo de ruim para o país na economia, na questão social, na questão política, na questão da autoridade moral, que a Dilma perdeu desde que foi reeleita, mentindo para o povo brasileiro. O que vem pela frente é um projeto de unidade nacional para que seja rapidamente dada uma resposta à sociedade brasileira."

    Com o impeachment sob a responsabilidade do Senado, as opiniões também se dividem na Casa. O Senador do PT, Lindbergh Farias, falou com a imprensa que acha difícil impedir o afastamento temporário da Presidenta Dilma pelo Senado, porque as primeiras votações são decididas por maioria simples. Mesmo assim, a base do governo acredita que ainda há esperança de reverter o jogo dialogando com os senadores indecisos. “A primeira fase é a mais difícil. Nós hoje temos 28 votos, mas tem muitos senadores indecisos. O que pode influenciar, é a opinião pública. Se isso ficar cristalizado, que a opinião pública não aceita Temer e Eduardo Cunha, nós temos possibilidade de vencer na admissibilidade.”

    Já o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima, não tem dúvida de que a oposição já tem a maioria de votos que precisa para seguir com o impeachment de Dilma na Casa.  “Nós já temos, com absoluta certeza, 45 votos. Isso projeta que, em torno do dia 11 de maio, a Presidenta da República estará afastada por um período de até 180 dias, quando será realizado o julgamento de mérito do processo de impeachment.”

    O líder do governo no Senado, senador Humberto Costa (PT-PE), também vê uma batalha difícil pela frente para o governo. Ele ainda acredita, porém, que o quadro pode ser mudado. "O problema no Senado é que a admissibilidade requer só a maioria simples. Nesse momento, se for aprovada, a presidente já se afasta. Então, na verdade, ela vai se defender tendo, na presidência da República, o beneficiário direto disso. Obviamente que, com essa máquina na mão, se torna mais difícil. Mas tenho certeza que um governo sem legitimidade e cheio de corruptos não vai ter condições de resistir quatro meses."

    Ao falar em nome da presidenta Dilma Rousseff, em coletiva após a votação na Câmara, o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, garantiu que a aprovação do impeachment no Plenário não abateu a Presidenta. “Se alguém imagina que ela se curvará diante da decisão de hoje, se engana. Ela lutará com todos aqueles que defendem a democracia no Brasil. Ela lutará com todos aqueles que querem a manutenção do Estado de Direito do Brasil. Ela lutará com a mesma abnegação e coragem que lutou contra a ditadura, para que mais uma vez o Brasil não sofra o golpe de Estado.”

    Segundo José Eduardo Cardozo, a estratégia do governo no Senado será  mostrar a fragilidade do relatório que foi aprovado pela Câmara. “Se os Senadores derem um pouco mais de atenção à leitura do relatório, e eu sei que o farão, aquele relatório não sobrevive.”


    Tema:
    Pedido de impeachment de Dilma Rousseff (132)

    Mais:

    CUT e Frente Brasil Popular se mobilizam para fazer pressão sobre o Senado
    Presidente do Senado adere à ideia de novas eleições gerais em 2016
    Processo de impeachment de Dilma vai depender de decisão do Senado Federal
    Tags:
    impeachment, Senado, PSOL, PPS, Senado Federal, Câmara dos Deputados, PSDB, PT, Ivan Valente, Humberto Costa, Rubens Bueno, Lindberg Farias, Cássio Cunha Lima, José Guimarães, Renan Calheiros, José Eduardo Cardozo, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik