01:39 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, concede coletiva para esclarecer os principais pontos da ação no STF buscando a anulação do processo de impeachment contra a presidenta Dilma

    AGU entra com ação junto ao STF para anular processo de impeachment na Câmara

    Antonio Cruz/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    Pedido de impeachment de Dilma Rousseff (132)
    17122

    A Advocacia-Geral da União (AGU) impetrou nesta quinta-feira (14) um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para anular o processo de impeachment que tramita na Câmara dos deputados contra a Presidenta Dilma Rousseff.

    O órgão acredita que o pedido de impeachment possui vícios que violam os princípios do devido processo legal, do contraditório e da ampla defesa. AGU propõe discutir as questões que julga como inválidas na tramitação do processo de impeachment pela comissão especial.

    Em coletiva à imprensa, o Advogado Geral da União, ministro José Eduardo Cardozo afirma que o processo de impeachment só poderia analisar dois aspectos da denúncia contra a Presidenta, que são os decretos de créditos complementares e a suposta inadimplência da União com o Banco do Brasil no Plano Safra.

    Ministro da Justiça, Eduardo Cardozo
    Gabriela Korossy/ Câmara dos Deputados
    Cardozo critica que os limites da denúncia foram ultrapassados, e assuntos relacionados ao mandato anterior de Dilma foram incluídos, além da delação premiada do senador Delcídio do Amaral, que fazem parte das investigações da Operação Lava-Jato da Polícia Federal.  “ O que nós estamos aqui argumentando, em linhas gerais, são algumas das preliminares, não todas, que nós sustentamos na defesa que apresentamos perante a comissão, e que a comissão não aceitou. Não estamos discutindo aqui o desvio de poder, uma vez que já há um mandado de segurança discutindo essa questão. Estamos discutindo aqui a justa causa para o impeachment, que é nosso juízo, não se confunde com o mérito. O mérito é um juízo de avaliação política final sobre o afastamento ou não. Esta questão por óbvio diz respeito ao Legislativo. Já a justa causa, ou seja, se há fatos que podem justificar o impeachment, essa é uma discussão jurídica. Nós não estamos fazendo essa discussão, nem discutindo a constitucionalidade de decretos, nem estamos discutindo falta de ato da Presidenta para o impeachment no caso das pedaladas. Estamos apenas discutindo nesse momento questão de vícios do procedimento na Câmara, da forma em que ele foi realizado.”

    Ao ser indagado se o governo pretende tentar ganhar tempo para impedir a votação do impedimento marcada para domingo (17) na Câmara, ao pedir com esse mandado de segurança que se refaça o processo para conceder o direito de defesa para a Presidenta, Cardozo negou e afirmou que está apenas lutando por um direito que foi violado pela comissão especial do impeachment. “Eu estou lutando por um direito que acho justo. Se o critério que levou as pessoas decidirem ali não me cabe interferir. O que eu posso dizer é que eu não pude, enquanto advogado da Presidenta da República, apresentar a defesa cabível para mostrar ao convencimento dos deputados que aquilo tudo que estava sendo discutido efetivamente não procedia. Eu só pude fazer a defesa dos fatos que estavam no processo. Tudo mais que foi debatido pelos deputados, ao que disse o relator, eu não sei nem do que estava sendo acusado. Por exemplo, Lava-Jato citada no relatório, eu não sei qual é a imputação que o relator faz à Presidenta. Eu apenas digo que, por causa da Lava-Jato, a Presidenta não tem que ter o impeachment. É sabido que na Lava-Jato tem muitas pessoas denunciadas, inclusive da oposição. A Presidenta da República não tem nenhum inquérito contra si, então do que ele está culpando a Presidenta? Por tudo aquilo que aconteceu na Lava-Jato e até o que eventualmente a oposição tenha feito, é isso?”

    Escolhido por sorteio, o relator da ação no Supremo vai ser o ministro Luiz Edson Fachin.

    Tema:
    Pedido de impeachment de Dilma Rousseff (132)

    Mais:

    Governo afirma ter votos suficientes para barrar impeachment na Câmara
    Lula articula frente pela democracia com assinaturas suficientes para barrar impeachment
    Dilma exonera ministros para votarem contra impeachment
    Domingo, na Câmara, o Fla x Flu do impeachment
    Tags:
    impeachment, AGU, STF, Dilma Rousseff, Luiz Edson Fachin, José Eduardo Cardozo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik