13:26 20 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Pedido de impeachment de Dilma Rousseff (132)
    0293
    Nos siga no

    A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, é uma das raras figuras políticas no Brasil que não estão enfrentando acusações de enriquecimento pessoal ilícito. É o que escreve o jornal norte-americano The New York Times na publicação da última terça-feira (12).

    Ao colocar em destaque a sessão da comissão especial de impeachment da Câmara dos Deputados, realizada na última segunda-feira (11), que aprovou por 38 votos a favor, 27 contrários e nenhuma abstenção, o relatório favorável à abertura de processo de afastamento da presidenta Dilma Rousseff.

    A reportagem norte-americana destaca que os opositores do governo de Dilma Rousseff fazem uso de manipulação orçamental para tentar incriminar a presidente, sendo incapazes de acusá-la por corrupção. 

    De acordo com o jornal, “Dilma é uma das raras figuras políticas no Brasil que não estão enfrentado acusações de enriquecimento pessoal ilícito". 

    "Incapazes de acusa-la por corrupção, seus adversários estão tentando impeachment por manipulação orçamental envolvendo o uso de recursos de bancos estatais para cobrir lacunas de orçamento”, afirma o New York Times. 

    A publicação também destaca a fala do advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, durante a defesa de Dilma na segunda-feira (11), quando ele afirmou que “a história não perdoará os atos de violência contra a democracia". 

    Tema:
    Pedido de impeachment de Dilma Rousseff (132)

    Mais:

    Dilma aos educadores: ‘A verdade haverá de prevalecer, o golpe será derrotado’
    Chancelaria russa: o processo de impeachment de Dilma não deve violar a Constituição
    Lula participa de ato contra impeachment de Dilma no centro do Rio
    Comissão da Câmara aprova relatório a favor do impeachment de Dilma
    Destino de Dilma começa a ser decidido nesta segunda-feira
    Tags:
    Brasil, Dilma Rousseff, The New York Times, corrupção
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar