11:31 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Comissão de Impeachment
    Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

    Comissão do Impeachment divulga rito para a defesa de Dilma

    Brasil
    URL curta
    Pedido de impeachment de Dilma Rousseff (132)
    1549042

    A Comissão Especial de Impeachment da Câmara dos Deputados vai receber na segunda-feira, 4, a defesa da Presidenta Dilma Rousseff. O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, será o responsável por encaminhar a defesa escrita ao presidente da Comissão, Deputado Rogério Rosso (PSD-DF), e também por fazer a sustentação oral da defesa.

    Nesta sexta-feira foi realizada pela manhã a penúltima sessão na contagem do prazo de apresentação da defesa presidencial no processo de impeachment.

    O relator da Comissão, Deputado Jovair Arantes (PTB-GO), conversou com a mídia sobre os próximos prazos do processo. Segundo Arantes, ele terá cinco sessões plenárias para dar um parecer, que em seguida será votado pelo colegiado.

    “Segunda-feira, 4, às 17h30min, o advogado da presidente irá trazer e protocolar a defesa da presidente, e fazer a defesa oral que ele achar necessária, durante 30 minutos. Nós imediatamente vamos acolher e vamos debruçar sobre o trabalho. Teremos a partir de terça-feira, 5, cinco sessões para apresentar o nosso relatório, que pode ser apresentado na primeira ou na quinta [sessão], levando em consideração que tem dois dias para pedido de vista. Eu quero queimar todo o processo durante essas cinco sessões, e na última sessão ou na penúltima sessão já começar o processo de votação.”

    O presidente da Câmara, Deputado Eduardo Cunha, também falou sobre os próximos ritos do processo de impeachment. Ele explicou que quando a comissão finalizar a votação o colegiado vai ter quatro dias para votar. Segundo Cunha, não haverá marcação de dia para votação. Simplesmente será dada sequência ao trabalho, ressaltando que a sessão pode durar até três dias, e que ela não deve ser suspensa até a votação final.

    Tema:
    Pedido de impeachment de Dilma Rousseff (132)

    Mais:

    Nélson Barbosa na Câmara: não há base legal para o impeachment
    Artistas e intelectuais encontram Dilma em ato 'contra impeachment e pela democracia'
    O golpe viaja: As articulações do impeachment em Lisboa
    Tags:
    defesa, votação, democracia, impeachment, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik