05:31 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Ação contra o Aedes Aegypti no Sambódromo do Rio
    Paula Johas / PCRJ

    Passarela do Samba recebe ação de combate ao mosquito Aedes Aegypti

    Brasil
    URL curta
    201
    Nos siga no

    Como parte das ações de combate ao Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika vírus e a febre Chikungunya, no Rio de Janeiro, a Secretaria Municipal de Saúde realizou nesta terça-feira uma ação para eliminar possíveis focos do inseto no Sambódromo, local onde acontecerão os desfiles das Escolas de Samba entre os dias 5 e 8 de fevereiro.

    Ao conversar com a imprensa, o Coordenador de Vigilância Ambiental e Saúde, Marcos Vinícius Ferreira, explicou que a ação é realizada ao longo do ano, com os agentes de vigilância atuando dentro e no entorno do Sambódromo de 15 em 15 dias. Mas, com a proximidade do período do Carnaval, as vistorias estão sendo realizadas semanalmente na região.

    “O Rio é uma cidade de grandes eventos. Quando você tem um grande evento, você tem o pré, ou seja, nós fazemos uma ação antes um pouco, mais intensificada. Durante e depois, isso já é normal, já é uma rotina no Rio de Janeiro. Todo ano nós fazemos uma ação no Sambódromo. Nós ficamos muito preocupados, porque a aglomeração de pessoas advindas de lugares diferentes torna-se muito mais perigosa. Primeiro, você tem as pessoas juntas, ou seja, para o mosquito fica mais fácil picar alguém. Você tem pessoas de vários países do mundo, e pode ser que lá estejam com todo tipo de vírus circulante… Ou seja, fica um local mais perigoso”.

    Segundo Ferreira, os agentes de saúde realizam a vistoria na Marquês de Sapucaí, passando o inseticida fumacê e destruindo possíveis criadouros de larvas do mosquito.

    “Nós fazemos um tratamento, como se fosse pontos estratégicos. Estrategicamente, o Sambódromo tem todas as condições de o vírus entrar. Mais ou menos um mês antes, nós começamos a intensificar as ações nesses locais, porque temos a questão da obra, tem a construção de arquibancadas, colocação de cadeiras. Durante à noite, o empregado, às vezes, não toma aquele cuidado necessário. Aí, durante o dia, os agentes de saúde vêm e fazem a varredura, ou seja, a eliminação dos depósitos (criadouros), e o tratamento, se necessário. Uma vez por semana fazemos o trabalho com ultra baixo volume, que é com o fumacê (inseticida), que diminui a população de mosquitos no local. Você diminuindo a população de mosquitos, terá menos mosquitos fêmeas, e, consequentemente, menos ovos, menos larvas e menos mosquitos”.

    Desde o início de 2016, os agentes de saúde já realizaram quase 706 mil visitas de inspeção, onde foram tratados 121.624 depósitos e 46.224 criadouros do mosquito, em toda a cidade do Rio de janeiro. Durante o período de carnaval, a Prefeitura também intensifica as ações de combate ao Aedes Aegypti nas quadras das escolas de samba, onde acontecem os ensaios das agremiações, nos blocos que desfilam pelas ruas da cidade e também na Cidade do Samba, onde as escolas constroem suas alegorias e adereços para o desfile no Sambódromo.

    A principal preocupação do governo brasileiro no momento é quanto à epidemia do zika vírus, causador da microcefalia, doença que leva bebês à malformação do cérebro. Na segunda-feira (25), o Ministro da Saúde, Marcelo Castro, chegou a falar ao visitar a primeira sala Distrital de Comando e Controle para o Combate ao Aedes Aegypti, em Brasília, que o Brasil está perdendo a luta para o mosquito, ressaltando os mais de 1,5 milhão de casos de dengue que aconteceram no Brasil em 2015.  

    “Agora é uma guerra completa contra o mosquito, e essa batalha nós precisamos vencer. Nós somos obrigados a vencer, sob pena da história nos julgar, a nós todos, nós, sociedade brasileira, de não termos tido a competência suficiente para eliminar um mosquito que transmite doenças tão graves e que pode trazer uma geração de pessoas que vão precisar de cuidados especiais para o resto das suas vidas”.

    Castro fez questão de enfatizar que a melhor prevenção no momento ainda é o combate ao mosquito, e que a mobilização da sociedade brasileira será fundamental e imprescindível para evitar uma epidemia maior da microcefalia.

    “Todos os nossos esforços são dirigidos em uma ação única, concentrada, que é o combate ao vetor, é o combate ao Aedes Aegypti, porque nós não temos ainda outra arma disponível. A arma fatal maior que nós podemos ter é a vacina, só que sabemos que (para ter) uma vacina desse tipo — nós já estamos com nossos laboratórios nacionais em contato para fazer parcerias com os laboratórios internacionais —, por mais rápido que ande o desenvolvimento, nós iremos demorar ainda de três a cinco anos pelo menos, se tudo der certo. Até lá, o que nos resta é o combate ao mosquito. Para os nossos técnicos, pesquisadores, cientistas e estudiosos no assunto, a maneira mais eficiente de combater o mosquito é evitar que ele nasça, destruindo os seus criadouros”.

    A Sala Distrital de Comando e Controle para Combate ao Aedes Aegypti faz parte do Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia, e, segundo o Ministério da Saúde, todos os estados da federação terão um local similar. A sala da capital está em funcionamento desde dezembro passado, e o local possui as informações para que todos os órgãos envolvidos possam atuar, monitorar, controlar e definir estratégias eficazes de combate ao mosquito, sobretudo no que diz respeito ao combate à sua reprodução.

    De acordo com os últimos dados do Ministério da Saúde, de dezembro até agora foram registrados 3.893 casos suspeitos de microcefalia no Brasil. A região Nordeste do país é a mais afetada, com 87,4% dos casos, o equivalente a 3.402. O estado de Pernambuco é o que tem mais casos suspeitos, 1.306. Em seguida vem a região Sudeste, com 240, sendo 122 apenas no Rio de Janeiro. A região Centro-Oeste do país aparece com 161 casos, enquanto a Norte tem 89 e o Sul, apenas um. De todos os casos suspeitos, em apenas seis foi confirmada a relação da microcefalia com o zika vírus.

    Mais:

    OMS: zika vírus pode se espalhar por quase todos os países das Américas
    Especialista alerta sobre o perigo do vírus zika no Carnaval
    Governo vai oferecer em fevereiro teste único de dengue, zika e chikungunya
    Vacina contra vírus Zika só ficará pronta em 2 anos
    Tags:
    microcefalia, Aedes Aegypti, zika, Chikungunya, vírus, saúde, Sambódromo, Carnaval, Marcelo Castro, Pernambuco, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar