18:11 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Economia brasileira foi prejudicada por manipulação das taxas de câmbio

    Fitch retira grau de investimento do Brasil

    Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    1728
    Nos siga no

    A agência de classificação de risco Fitch retirou nesta, quarta-feira, o grau de investimento do Brasil. A instituição rebaixou o rating de BBB- para BB+, com perspectiva negativa.

    A instituição rebaixou o rating de BBB- para BB+, com perspectiva negativa. Segundo a agência, o rebaixamento reflete uma depressão mais profunda da economia que o antecipado e também acontecimentos fiscais adversos e crescente incerteza política.

    A Fitch informou também que a perspectiva negativa reflete contínua incerteza e risco de piora econômica. Também envolve risco de piora fiscal e política. No comunicado, a agência ainda citou efeitos negativos das investigações de corrupção na Petrobras e a deterioração econômica contínua.

    De acordo com a Fitch, o ambiente externo segue difícil, com queda das commodities e desaceleração na China. A agência de classificação de risco destacou também que repetidas mudanças nas metas fiscais minaram a credibilidade da política fiscal e que o início do processo de impeachment contra a presidente da república, Dilma Rousseff, amplia incertezas políticas.

    A Fitch prevê que o déficit fiscal pode chegar a ultrapassar 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015. Segundo a agência, o déficit fiscal deve permanecer elevado em 2016 e 2017, em média acima de 7% do PIB.

    Rebaixamento indica preocupação, diz Levy

    O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, avaliou como séria a perda do grau de investimento do Brasil e defendeu que "é "preciso agir". Segundo ele, a resposta está na aprovação das medidas do ajuste fiscal necessárias para a retomada do crescimento. Levy permaneceu em silêncio todas as vezes em que foi questionado sobre se permanecerá no governo.

    "A perda do grau de investimento é séria e por isso temos que agir", afirmou em entrevista coletiva após reunião com o presidente do Senado, Renan Calheiros. Para o ministro, o rebaixamento "indica preocupação" de que tudo que o Brasil precisa fazer não tem sido feito no "passo necessário". Segundo ele, a atenção sobre essas questões tem sido desviada por assuntos diversos, que fogem à área econômica.

    O ministro, entretanto, afirma que o downgrade não significa fuga de investidores do país. "As pessoas querem investir no Brasil", disse. Prova disso, destacou, foi o sucesso do leilão das usinas hidrelétricas, que, segundo ele, deve injetar US$ 4 bilhões no país. "Pela primeira vez sem pegar dinheiro do BNDES", destacou. Na avaliação de Levy, isso mostra que os investidores têm confiança no Brasil.

    Mais:

    Mineradora de Mariana perde selo de bom pagador da agência Fitch
    Agência Fitch rebaixa nota do Brasil, mas ainda mantém grau de investimento
    Fitch dá seguimento à pressão das agências e baixa grau de investimento do Brasil
    Fitch: diminui o risco de novas sanções antirrússia
    Fitch eleva rating da Grécia de CC para CCC
    Tags:
    economia, rating, investimento, rebaixamento, Ministério da Fazenda, Fitch, Joaquim Levy, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar