18:37 15 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Rio 2016 (253)
    0 11
    Nos siga no

    O Ministério da Justiça apresentou o planejamento de segurança do governo brasileiro para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, que vão acontecer no Rio de Janeiro a partir de agosto de 2016.

    Após os atentados terroristas na França, a questão da segurança se tornou uma das maiores preocupações de todos durante a realização dos Jogos, que vão contar com um efetivo de 85 mil agentes, sendo 47 mil para segurança, defesa civil e ordenamento urbano, e mais 38 mil militares das Forças Armadas.

    O esquema operacional foi planejado com a participação de diversas instituições federais, estaduais e municípios do Rio de Janeiro. 74 países que vão participar dos jogos enviaram representantes e autoridades que trabalham na área de segurança para acompanhar a apresentação do plano de segurança para os Jogos.

    Os investimentos do Ministério da Justiça para garantir a segurança das Olimpíadas somam cerca de R$ 1,5 bilhão, valor incluindo o legado da Copa do Mundo, que são os equipamentos que foram comprados para o evento e que passaram a ser utilizados, como os Centros Integrados de Comando e Controle, os veículos e tecnologias de monitoramento, e os equipamentos de proteção  para policiais.

    Durante a apresentação do plano de segurança do governo federal para os Jogos Olímpicos de 2016, a Secretária Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, Regina Miki, garantiu que apesar dos últimos eventos terroristas na França, o Brasil tem condições para garantir a defesa e a segurança dos Jogos.

    “Dizemos a todos com responsabilidade que estamos preparados para receber esses jogos e teremos condições de segurança no país, para os atletas, para quem vem assistir, e além de tudo essa maravilhosa cidade os receberá de braços abertos.”

    Segundo o Secretário Nacional da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos do Ministério da Justiça, Andrei Rodrigues, o plano de segurança será, em termos de efetivo, o mesmo adotado durante a Copa das Confederações e da Copa do Mundo., porém, a grande novidade, é que pela primeira vez na história das Olimpíadas, no Rio de Janeiro haverá um Centro Integrado Antiterrorismo (Ciant), onde agentes de inteligência internacionais vão cooperar com a Polícia Federal, em informação, monitoramento e combate a possíveis ataques durante o evento.

    “É a primeira vez na história dos Jogos, que haverá um ambiente específico e próprio para a troca de informações  para o enfrentamento ao terrorismo. A Agência Brasileira de Inteligência (Abin), tem as suas ferramentas, tem o seu trabalho também nesse contexto, e isso nos permite ter o conforto de dizer  que estamos sim precavidos. Estamos adotando todas as medidas, importantes e necessárias para o enfrentamento ao terrorismo.”

    Andrei Rodrigues também comentou sobre a liberação do visto de entrada no Brasil, sancionada pela Presidenta Dilma Rousseff, para o período dos Jogos. De acordo com o Secretário, a não exigência do visto  está ligada apenas a diplomacia, não havendo riscos no que diz respeito a segurança.

    “O visto é uma questão de diplomacia, de reciprocidade, uma questão de relações internacionais, que não se confunde com requisitos de segurança para ingresso no país. É uma legislação bastante rigorosa, que tem parâmetros, que tem requisitos, que vai ser regulamentada por decreto e que não traz nenhum impacto na segurança de eventos.”

    Andrei Rodrigues deixou claro ainda que a liberação do visto não vai valer para todos os países.

    O Ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes, que é o relator da fiscalização dos jogos no tribunal,  também participou do encontro, e chamou atenção que a Olimpíada vai acontecer em um momento delicado por causa dos atentados em Paris, e pediu solidariedade entre os países, pois os jogos fazem parte de toda a comunidade internacional.

    Augusto Nardes alertou, que todo o cuidado deve ser tomado, e destacou falhas no plano de segurança, como a necessidade de uma maior integração entre os órgãos de segurança pública do país.

    “Temos problemas de integração da Polícia Civil, Militar, Federal, Polícia Rodoviária. É um problema sério, porque os Estados são autônomos, os municípios são autônomos. O Tribunal está dando a sua contribuição e mostrando essas falhas para que haja tempo ainda de se fazer as correções.”

    Conforme auditoria preventiva feita pelo Tribunal de Contas da União, 68% das secretarias estaduais não se comunicam, e classifica como intermediária a situação da política de governança em 20 dessas secretarias. O Ministro ainda falou sobre a preocupação quanto a questão da evasão de divisas, e a falta de controle sobre a imigração no estado do Acre, no norte do Brasil, ressaltando a necessidade de maior integração por parte do Ministério das Relações Exteriores através de acordos bilaterais com países vizinhos.

    Tema:
    Rio 2016 (253)
    Tags:
    Rio de Janeiro, Brasil, França, Regina Miki, Dilma Rousseff, Andrei Rodrigues, Augusto Nardes, Abin, Copa do Mundo, Olimpíadas, Jogos Olímpicos, Jogos Paralímpicos, terrorismo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar