13:15 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Linhas de transmissão
    Marcos Santos / USP Imagens

    Brasil vai fazer em fevereiro maior leilão de energia elétrica do mundo

    Brasil
    URL curta
    Por
    15175
    Nos siga no

    O primeiro leilão do setor energético de 2016, marcado para 5 de fevereiro, atraiu 1.055 empresas interessadas. Para a EPE – Empresa de Pesquisa Energética, vinculada ao Ministério de Minas e Energia, pelo número de projetos envolvidos este poderá ser o maior leilão de energia elétrica do mundo.

    Ao todo, os empreendimentos inscritos somam 47.618 megawats em oferta de eletricidade, o que corresponde a cerca de 1/3 de toda a geração atual do país, ou o equivalente a quatro usinas hidrelétricas como a de Belo Monte, que está sendo construída na bacia do rio Xingu, próximo ao município de Altamira, no norte do Pará.

    O presidente da EPE, Maurício Tolmasquim, destaca que mesmo com a crise econômica no país tem sido muito grande o número de investidores interessados no setor elétrico brasileiro:

    “Como a oferta é muito grande, os interessados em investir no setor elétrico são muitos agentes, e isso faz com que haja uma competição muito grande no leilão. Como há uma grande competição, a expectativa será de preços baixos, o que é bom para o consumidor brasileiro. Hoje, a notícia positiva é que, apesar da difícil situação econômica que o país vem vivendo, o setor elétrico vem atraindo um número enorme de investidores, que estão interessados em participar do leilão e, portanto, investir no setor.”

    As fontes dos projetos interessados são diversas: usinas eólicas, termelétricas a gás natural, a carvão, a biomassa e a biogás, além de hidrelétricas de grande e pequeno porte. O destaque, no entanto, é para a energia eólica, a produzida pelo vento, responsável por quase a metade dos projetos apresentados para o leilão.

    De acordo com dados da Empresa de Pesquisa Energética, em 2014 o Brasil ficou em quarto lugar no ranking mundial dos países que mais ampliaram a instalação de campos eólicos.

    Segundo Maurício Tolmasquim, a maior parte dos projetos de energia eólica interessados no leilão está localizada no Estado da Bahia:

    “É bem no interior da Bahia, onde há regiões muito pobres, e o proprietário da terra arrenda sua área justamente para instalar o parque, aqueles aerogeradores. Isso traz uma renda adicional, o que do ponto de vista social é muito interessante.”

    Agora, os projetos seguem para a Empresa de Pesquisa Energética e a Aneel – Agência Nacional de Energia Elétrica, que vão analisar requisitos como a licença ambiental e a comprovação da capacidade energética.

    A previsão é de que os projetos possam ofertar energia a partir de janeiro de 2021.

    Tags:
    energia elétrica, energia eólica, leilão, EPE, Aneel, Maurício Tolmasquim, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar