18:23 06 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    172
    Nos siga no

    A Presidenta Dilma Rousseff desembarcou em Bogotá no final da noite de quinta-feira, 8, para sua primeira visita como Chefe de Estado à Colômbia. Durante toda a sexta-feira, Dilma cumpriu intensa agenda no país, ao lado do anfitrião, Presidente Juan Manuel Santos.

    O objetivo da viagem da presidenta é estreitar o relacionamento entre os dois países. A Colômbia é a 3.ª maior economia da América do Sul, mas, em termos de relacionamento comercial com o Brasil, está na 7.ª posição entre os países do continente. Em 2014, o saldo da balança comercial foi de US$ 4,1 bilhões.

    Cerca de 50 empresas brasileiras estão estabelecidas na Colômbia, atuando em diversos segmentos como siderurgia, infraestrutura, petróleo e mineração, finanças, telecomunicações e tecnologia da informação, além de alimentos e bebidas.

    Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, o cientista político André Luiz Coelho, professor de Ciência Políticas da UniRio e especialista em América Latina, analisou o significado da viagem de Dilma Rousseff àquele país e destacou os setores em que o relacionamento com o Brasil pode ser aprimorado.

    Sputnik: Qual a importância desta visita da Presidenta Dilma Rousseff à Colômbia, e o que ela pode representar em termos de maior aproximação entre os dois países?

    André Luiz Coelho: É bem importante uma visita de Estado da presidente à Colômbia. É bem interessante também essa aproximação do Brasil com a Colômbia. O Brasil tem dado mais ênfase ao longo desses últimos 14 anos, desde o Governo Lula, ao Mercosul, e essa visita à Colômbia amplia a possibilidade do Brasil para além do Mercosul e de alguns parceiros tradicionais, como por exemplo Argentina, e mesmo para além do Mercosul, como Venezuela e Equador. É interessante perceber como o Brasil pode, nesse novo momento, tentar buscar relações mais próximas com a Colômbia, que é um país que a cada vez se mostra mais importante dentro do nosso continente, dentro da América do Sul, como o 4.º, quase o 3.º, país mais importante da região.

    S: Essa visita da Presidenta Dilma teria acontecido no início da semana. Inicialmente, segundo o Ministério das Relações Exteriores e o próprio Palácio do Planalto, a presidente teria seguido no domingo à noite para realizar uma visita que se estenderia pela segunda e pela terça-feira. No entanto, as circunstâncias políticas vividas pelo país e pelo Governo diante do Tribunal de Contas da União e diante do Congresso Nacional levaram a presidente a transferir para quinta, sexta-feira e sábado esta visita. Acha prudente a presidente ter mantido essa viagem?

    Guarda Nacional da Venezuela na fronteira com a Colômbia
    © REUTERS / Carlos Eduardo Ramirez
    ALC: Eu acho que sim, no momento em que estava marcado anteriormente, ela não deveria ter ido, a situação do Brasil estava bem complicada, deveria realmente ter ficado aqui para a votação das contas do TCU. No entanto, eu acho que ela pode tentar ganhar um pouco mais de oxigênio e tentar angariar o apoio internacional para conseguir um aumento do apoio interno. Alguns presidentes fazem isso naturalmente: utilizar a sua influência no âmbito externo para, a partir daí, conseguir que esses ganhos no âmbito externo possam ser relacionados e aproveitados no âmbito doméstico. A Presidenta Dilma foi nas ultimas semanas a Nova York, discursar na ONU, um momento importante do Brasil para tentar tirar a agenda da crise e colocar uma outra agenda de política externa como uma agenda desejada e necessária. Ao mesmo tempo, a ida à Colômbia pode ser uma espécie de oxigenação, tranquilidade, e se os acordos forem assinados e forem proveitosos para o país e se o Poder Executivo junto ao Itamaraty conseguir vender a importância desses acordos para a economia do Brasil, principalmente em momento de crise, a ampliação de mercado é bastante interessante para os produtos brasileiros e isso pode ser interessante para a presidente, inclusive no âmbito de crise doméstica.

    S: Segundo os Ministérios das Relações Exteriores e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o comércio bilateral entre Brasil e Colômbia atingiu a marca de US$ 4,1 bilhões em 2014, contra US$ 1,5 bilhão em 2005. É um crescimento de 165%. Acredita que este comércio bilateral poderá se expandir ainda mais?

    ALC: Eu acredito que sim. Na verdade, para explicar esse crescimento temos que voltar um pouco no passado. A Colômbia faz parte da Comunidade Andina de Nações, que é equivalente ao Mercosul, mas dos países andinos: Equador, Peru, Bolívia e a própria Colômbia. Antigamente também incluía a Venezuela, que saiu em 2006. Com o passar do tempo a Comunidade Andina foi perdendo sua importância, e a Colômbia conseguiu se distanciar do bloco.

    É importante lembrar que entre 2000 e 2006 a Colômbia foi palco do chamado Plano Colômbia, uma iniciativa de cooperação econômica, comercial e militar com os EUA para, basicamente, tentar acabar com o tráfico de drogas e especialmente liquidar as FARC. Durante esse tempo a proximidade entre Bogotá e Washington foi muito grande, o alinhamento foi praticamente automático, e assim o Brasil não ficou tão próximo da Colômbia. Com o fim do Plano Colômbia, aumentou a possibilidade de aproximação entre Colômbia e Brasil, o que paulatinamente veio acontecendo.

    Da mesma maneira, é interessante perceber como, ao longo dos últimos anos, a força da guerrilha colombiana vai diminuindo cada vez mais, as FARC vão perdendo espaço, território e poderio econômico e militar dentro da Colômbia, e isso também é visto pelos diplomatas e empresários brasileiros como algo positivo porque nós podemos entrar com nossos produtos em um país mais pacificado, mais tranquilo e mais receptivo à produção brasileira.

    Mais:

    Reservas internacionais afastam o Brasil da situação de risco
    Brasil tem interesse em zona de livre comércio com União Euroasiática
    Exclusivo – Deputado Enio Verri: Virada da economia brasileira se dará no final de 2016
    Opinião: Brasil sofre ataque especulativo internacional
    Rússia e Brasil fecham acordo sobre fornecimento de trigo
    Tags:
    relações econômicas, cooperação bilateral, relações diplomáticas, parceria, relações bilaterais, Palácio do Planalto, MRE, Mercosul, André Luiz Coelho, Juan Manuel Santos, Dilma Rousseff, América do Sul, Colômbia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar