11:24 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    A presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, ao lado do seu vice, Michel Temer

    Governo e aliados ainda sem acordo sobre aumento de impostos para cobrir deficit em 2016

    Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    0 9405

    Os líderes da oposição não reagiram bem à declaração do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, de que o aumento no Imposto de Renda é uma possibilidade que o Governo está estudando, como forma de elevar impostos para conseguir equilibrar as contas públicas e o deficit orçamentário para 2016, que é de R$ 30,5 bilhões.

    A resistência ao aumento da taxação é grande entre parlamentares do PMDB. Na noite da última terça-feira, governadores e políticos do partido jantaram com o vice-presidente da República, Michel Temer, para discutir o assunto. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), também participou do encontro. E, ao ser questionado pela imprensa sobre a ideia de aumentar o Imposto de Renda, Calheiros afirmou que primeiro é preciso fazer cortes de despesas, antes de se pensar em aumento de impostos.

    “Os governadores estão preocupados com a situação financeira e fiscal dos estados. Não é para menos. Há uma crise muito grande. Há uma preocupação muito grande dos governadores, mas o partido entende que o dever de casa que deve ser feito é cortar despesas, extinguir ministérios, cortar cargos em comissão e só depois pensar em ampliar o espaço fiscal”.

    O líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães, do Ceará, disse que, durante o jantar, o pedido feito pelo governo foi para evitar projetos que aumentem as despesas fiscais. Guimarães voltou a pedir diálogo e cautela para resolver o embate entre Governo e aliados sobre aumento de impostos.

    “Uma diretriz sem discutir, sem dialogar com o país, e sem dialogar com o Congresso, com a base, os empresários e os trabalhadores, seria uma diretriz que não se sustentava. O ambiente está para se construir uma alternativa entre as várias que são colocadas a presidenta. O setor empresarial, financeiro, o Congresso e o vice-presidente Michel Temer estão apresentando sugestões. Ao final, a presidenta vai apresentar a saída para consertar essa questão orçamentária para 2016. O governo não tem outro caminho. Este é o melhor caminho, discutir, dialogar e apresentar na hora certa as medidas, que eu acredito que virão até o final do mês”.

    Antes do jantar desta terça-feira (8), Michel Temer chegou a conversar com a imprensa sobre uma alternativa para aumentar a receita da União e dos estados aos governadores do PMDB, que é a CIDE, Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico sobre combustíveis. Se optar pelo aumento da alíquota da CIDE, o Governo não vai precisar pedir autorização do Congresso.

    O Líder do Governo no Senado, Delcídio do Amaral, do Mato Grosso do Sul, alerta que aumentar a CIDE vai causar impacto na inflação, que vai ser repassado para o bolso do consumidor. Por causa disso, o senador explicou à impressa que o Governo estuda uma outra proposta, que seria a cobrança de um imposto provisório, que incidiria apenas sobre alguns setores da economia.

    “Setores que não impactam de uma forma geral a inflação, e o dia-a-dia dos cidadãos. Nós estamos caminhando nesse sentido”.

    O líder do PSOL no Senado, Randolfe Rodrigues, do Amapá, foi taxativo ao dizer que dificilmente o Congresso vai aprovar aumento de impostos para superar a crise.

    “Aumento de imposto não passa no Congresso. O Governo tem que colocar esta conta  em quem deve pagá-la, não nos mais fracos. Aumentar o Imposto de Renda, por exemplo, é penalizar a classe média”.

    O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acredita que aumentar qualquer imposto, seja o Imposto de Renda, a CPMF ou a CIDE, para financiar a máquina pública não vai ser aceito pela sociedade. Cunha acha que vai ser uma medida equivocada, que vai gerar inflação. Para ele, a saída para o Governo é enxugar o orçamento e cortar despesas.

    Tags:
    CIDE, CPMF, impostos, Congresso Nacional, Câmara dos Deputados, Senado Federal, PSOL, PMDB, Eduardo Cunha, Randolfe Rodrigues, Delcídio do Amaral, Dilma Rousseff, Michel Temer, Renan Calheiros, José Guimarães, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik