06:01 23 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    A baía de Guanabara, Rio de Janeiro

    “Ainda há tempo de preparar a Baía de Guanabara para os Jogos 2016”

    © AFP 2017/ VANDERLEI ALMEIDA / AFP
    Brasil
    URL curta
    122221

    A saúde dos atletas que nadarão, remarão e velejarão no Rio de Janeiro durante a Olimpíada 2016 está em risco. Análise encomendada por uma agência de notícias concluiu que as águas olímpicas estão contaminadas em níveis altíssimos. O engenheiro sanitarista Adacto Ottoni, porém, considera ainda haver tempo para preparar a Baía de Guanabara.

    A análise encomendada pela Associated Press foi feita após quatro rodadas de testes em três locais de competição: a Baía de Guanabara, a praia de Copacabana e a Lagoa Rodrigo de Freitas. O resultado é que nenhum apresenta segurança sanitária para os atletas.

    O biólogo marinho do instituto Southern California Coastal Water Research Project, John Giffith, após analisar os resultados apresentados pela agência, afirmou que “o que se tem ali é basicamente esgoto puro”.

    A propósito, o engenheiro civil e sanitarista Adacto Ottoni, coordenador do Curso de Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental da UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, comenta que, se se coletar as águas da Baía de Guanabara na região próxima à foz dos rios, elas serão de péssima qualidade, ou seja, “os esgotos todos da bacia drenante em grande parte estão sendo encaminhados pelos rios e daí vão para a Baía de Guanabara”. 

    Então, pergunta o especialista, “como pode a água estar de excelente qualidade se os rios que adentram a baía estão de péssima qualidade?”. 

    “Se o monitoramento for feito em água ambiental em situação de águas médias e altas”, explica o engenheiro Adacto Ottoni, “a água do mar entra e dilui o esgoto e dá uma impressão às vezes inadequada da situação real de balneabilidade”.

    Há solução para o problema? “Nós temos que, de uma vez por todas, começar a implantar programas viáveis para fazer reuso de esgoto. Esse esgoto que está poluindo a Baía de Guanabara poderia estar sendo aproveitado na produção de biogás, de adubo com matéria orgânica de reuso do esgoto tratado para outros fins, inclusive irrigação, e o lixo também todo reaproveitado”.

    O engenheiro sanitarista observa que, “infelizmente, as políticas públicas estão na contramão da sustentabilidade ambiental, e o caos no saneamento está levando realmente a uma preocupação grande em relação às Olimpíadas”.

    Adacto Ottoni, porém, pensa que ainda há tempo útil para recuperar a Baía de Guanabara para os Jogos de 2016: “Se forem tomadas medidas adequadas, como, por exemplo, fazer uma obra mais drástica, que é uma galeria de tempo seco barrando os esgotos de um lado e de outro dos rios, uma obra emergencial, para evitar a entrada de esgoto no rio e conectar esse esgoto com as estações de tratamento que já existem. E, quanto ao lixo, começar a implementar programas emergenciais de coleta seletiva e reciclagem para evitar a entrada do lixo nos rios.”

    “Agora”, conclui Adacto Ottoni, “tem que haver decisão em tempo rápido. As coisas não estão indo no ritmo devido. Não é que não está se fazendo nada. Está havendo atuações, mas em ritmo lento, muito aquém do necessário para atingir a meta das Olimpíadas. A recuperação total da baía não dá para se fazer em um ano, mas dá para conseguir uma boa melhorada com essa ações que acho prioritárias".

    Mais:

    Rio 2016 terá o maior esquema de segurança da história das Olimpíadas
    Brasil espera que Jogos do Rio 2016 superem Copa de 2014 na atração de estrangeiros
    Tocha dos Jogos Rio 2016 vai percorrer mais de 300 cidades
    Tags:
    Jogos Olímpicos, UERJ, Adacto Ottoni, John Giffith, Baía de Guanabara, Lagoa Rodrigo de Freitas, Praia de Copacabana, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik