07:09 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Porto de Paranaguá, principal ponto de saída dos produtos agrícolas brasileiros

    Cartilha orienta exportadores brasileiros contra corrupção em negócios fora do país

    APPA
    Brasil
    URL curta
    314821

    A Controladoria-Geral da União e a Apex – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos lançaram uma cartilha para orientar empresas nacionais no relacionamento com agentes públicos, principalmente de outros países, a fim de evitar que as companhias cometam atos considerados como corrupção.

    A cartilha “Empresas Brasileiras no Exterior – Relacionamento com a Administração Pública Estrangeira” informa sobre erros como oferecer brindes ou presentes, pagar viagens ou hospedagem a servidores públicos, brasileiros ou estrangeiros, que podem representar prática irregular prevista em lei.

    A Lei Anticorrupção, que entrou em vigor em janeiro de 2014 e foi regulamentada em março deste ano pela Presidenta Dilma Rousseff, responsabiliza no âmbito civil e administrativo a pessoa jurídica por práticas relacionadas à corrupção contra a administração pública, nacional ou estrangeira, com punição que pode chegar a 20% do faturamento bruto anual da empresa condenada.

    Pagar propina a servidores brasileiros já era considerado crime. O que a nova legislação faz é ampliar as punições nas situações em que a prática for cometida no exterior.

    Para o presidente da Apex Brasil, David Barioni Neto, a cartilha vai ajudar a normatizar, por exemplo, procedimentos entre empresas e autoridades estrangeiras, que antes eram considerados ilícitos pela Lei Anticorrupção. “A cartilha tem como objetivo regular as relações entre empresas e governos estrangeiros na obtenção de eventos, na normatização de fornecimento de passagem, tudo o que era visto antes como vantagem. A cartilha normatiza todo o procedimento de fornecimento de passagens, hotel, hospedagem para membros do Governo no exterior que venham para o evento e que estejam sendo patrocinados por empresas privadas.”

    A secretária de Transparência e Prevenção de Corrupção, da Coordenadoria Geral da União, Patrícia Souto Audi, chama a atenção para o fato de que, num momento de tantas denúncias de corrupção nas instituições brasileiras, a cartilha estimula as empresas brasileiras e também as estrangeiras a promover uma estrutura mais ética nas relações de negócios. “A partir da Lei, o ambiente jurídico do brasileiro ficou muito mais claro, com a relação da forma como o Estado tratará os ilícitos de corrupção, de suborno, previstos na lei. Ou seja, aquelas empresas internacionais que quiserem investir no Brasil sabem que hoje poderão vir a ser responsabilizadas caso não tenham um comportamento ético. Assim como também está previsto que as empresas brasileiras exportadoras terão responsabilidades importantes a partir da relação com o setor público internacional.”

    A cartilha está disponível nos sites da Apex – www.apexbrasil.com.br – e da Coordenadoria-Geral da União – www.cgu.gov.br

    Mais:

    Comércio exterior pode tirar Brasil da crise
    Tags:
    corrupção, comércio, Lei Anticorrupção, CGU, Apex Brasil, Patrícia Souto Audi, Dilma Rousseff, David Barioni Neto, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik