12:23 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Dilma Rousseff

    Governo espera que novo pacote de investimentos retome crescimento sustentável

    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Brasil
    URL curta
    0 103
    Nos siga no

    O Governo prevê para a terça-feira, dia 9, o lançamento do pacote de concessões à iniciativa privada. A Presidenta Dilma Rousseff passou o domingo e a manhã desta segunda-feira reunida com a equipe de coordenação política, para definir os últimos detalhes do plano de concessões de aeroportos, portos e rodovias, além do ajuste fiscal.

    Além da Presidenta Dilma e do Vice-Presidente Michel Temer, responsável pela articulação política do Governo, também participaram do encontro 13 ministros e líderes do Governo no Congresso.

    Após a reunião, o ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, conversou com a mídia e disse que o novo plano de concessões em infraestrutura é o maior plano de investimento do Brasil, e que o Governo acredita que vá garantir a retomada do crescimento sustentável do país. “O Governo continua otimista em relação às votações que vão concluir essa fase do ajuste, disse o ministro. “Já entramos na agenda de investimentos com o lançamento, na semana passada, do Plano Safra, e amanhã nós teremos o lançamento do maior plano de investimento em logística da história do país. Também conversamos na reunião sobre a agenda que está sendo construída em relação aos investimentos para a agricultura familiar, também sobre o plano de exportações e a agenda de mais investimentos no programa Minha Casa, Minha Vida 3. Além disso, ainda tratamos do plano de investimento na área de energia e dos investimentos em banda larga. Então, terminando os ajustes de forma efetiva, o país entra na construção de uma agenda positiva, de investimentos, que vai garantir a retomada do nosso crescimento econômico de forma sustentável.” 

    Ainda segundo Edinho Silva, o plano de investimentos em infraestrutura vai ter execução imediata. O líder do Governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), que também esteve na reunião, garantiu que o programa vai injetar até R$ 190 bilhões na economia brasileira.

    Um dos projetos de maior interesse do Governo é o que reduz as desonerações na folha de pagamento de empresas de vários setores da economia. A votação do texto, que faz parte do ajuste fiscal, deve acontecer na Câmara nesta semana. A aprovação do projeto é uma das tentativas do Governo de reequilibrar as contas públicas. A expectativa do Executivo é de que o fim da desoneração gere uma arrecadação de cerca de R$ 25 bilhões aos cofres públicos.

    Conforme o texto encaminhado pelo Planalto ao Congresso, as empresas que pagam alíquota de 1% de contribuição previdenciária sobre a receita bruta ao INSS – Instituto Nacional de Seguridade Social vão passar a pagar 2,5%. E setores que atualmente pagam a alíquota de 2% vão ter que contribuir com 4,5%.

    Ao ser questionado sobre possíveis demissões nos setores que vão perder parte da desoneração da folha de pagamento, o Ministro Edinho Silva disse que as medidas são temporárias. “São medidas temporárias, tomadas para este momento, para criar condições fiscais, monetárias, para que o Brasil possa retomar o crescimento de forma sustentável”, disse o ministro. “O importante é que a legislação seja aprovada e que possamos concluir o ajuste e virar de fato a agenda do país, como temos virado.”

    Durante a reunião com a Presidenta Dilma Rousseff, o ministro da Secretaria de Comunicação Social falou ainda sobre a questão da redução da maioridade penal, de 18 para 16 anos. Edinho Silva disse que o Governo vai apresentar uma proposta alternativa à PEC da Maioridade Penal, que tramita no Congresso Nacional. A ideia do grupo do Governo que trata do assunto e é liderado pelo Ministério da Justiça é a de uma proposta alternativa, que combata o ambiente de impunidade e endureça as penas dos maiores de idade que se utilizam de adolescentes na criminalidade.

    Segundo o ministro, a Presidenta Dilma Rousseff pretende conversar com o governador de São Paulo. Geraldo Alckmin, do PSDB, sugeriu pedir o apoio do PT para impedir a redução da maioridade penal, e em seu lugar propor o aumento da internação de 3 para 8 anos para menores que praticarem crimes hediondos. “[Apoiamos] todas as agendas de interesse nacional, de interesse do país, não interessa a liderança ou o partido que as defenda. O Governo Federal quer dialogar com o Governador Geraldo Alckmin.”

    Mais:

    Opinião: Discurso de Dilma sobre corrupção no Brasil e no México é simbólico
    Centrais sindicais preparam greve geral contra ajuste fiscal do Governo
    Economista vê com preocupação a reaproximação exagerada do Brasil com o FMI
    Tags:
    ajuste fiscal, concessões, Minha Casa, Minha Vida, PT, PSDB, Geraldo Alckmin, José Guimarães, Edinho Silva, Michel Temer, Dilma Rousseff, Brasília, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar