06:19 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, com a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, durante cerimônia de lançamento do Plano Nacional de Defesa Agropecuária

    ONU destaca: Brasil é referência mundial no combate à fome

    © AFP 2017/ EVARISTO SA
    Brasil
    URL curta
    0 142

    Relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) revela que, ao mostrar redução de 82% na situação de fome, o Brasil se tornou uma referência positiva mundial na área.

    O estudo “O Estado da Insegurança Alimentar no Mundo 2015”, divulgado pela FAO, destaca os avanços brasileiros na redução do número de pessoas em situação de fome nos últimos anos.

    Segundo o relatório, o Brasil é o país, entre os mais populosos, que teve a maior queda de subalimentados entre 2002 e 2014, o que representa uma redução de 82,1% da fome no país. No mesmo período, a América Latina reduziu em 43,1% esta situação.

    Ainda conforme o levantamento, o Brasil é, também entre os mais populosos, o país que apresenta a menor quantidade de pessoas subalimentadas. São 3,4 milhões no Brasil, pouco menos de 10% da quantidade total da América Latina, que é de 34,3 milhões.

    A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, comentou que o relatório da FAO confirma todo o esforço e reconhece a trajetória do Brasil na ação de redução da pobreza e do combate à fome, e aponta que o país conseguiu alcançar todas as metas das Nações Unidas em relação à fome.

    A redução mais significativa da fome no Brasil aconteceu em 2012, quando o país alcançou duas metas da entidade internacional: cortou pela metade o número de pessoas passando fome e reduziu esse número para menos de 5% da população.

    Segundo Tereza Campello, o objetivo das Metas do Milênio da ONU era reduzir pela metade a fome, e o da Cúpula Mundial de Alimentação, reduzir pela metade os números absolutos de subalimentados, e o Brasil é um dos 29 países que conseguiram alcançar as duas metas. “Em todos os aspectos, o relatório mostra que o Brasil vem avançando muito, além de outros países”, diz a ministra. “O relatório confirma o esforço e reconhece a trajetória do Brasil na ação de redução da pobreza e do combate à fome. O Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que está em processo de formatação, visa a reduzir em até menos de 5% até 2030. Desde o ano passado, nós já conseguimos alcançar esta meta.”

    A Ministra Tereza Campello explica que o bom desenvolvimento do país no combate à fome se deve à implantação de políticas públicas, pois o Brasil nunca teve problemas de falta de alimentos. “O Brasil, ao contrário de outros países do mundo, sempre foi um grande produtor de alimentos. E, mesmo assim, a população passava fome. O nosso problema não era a disponibilidade de alimentos, era o acesso aos alimentos e à renda. E isso nós conseguimos alcançar com políticas públicas.”

    Entre as ações desenvolvidas no Brasil pelo Governo Federal, está o Programa Nacional de Alimentação Escolar, que este ano vai receber R$ 3,8 bilhões para atender 43 milhões de crianças e adolescentes.

    Na próxima semana, a Ministra Tereza Campello apresenta em Milão, na Itália, as experiências brasileiras para a superação da fome e da extrema pobreza. Tereza Campello vai participar do Seminário Internacional Políticas Sociais para o Desenvolvimento – Edição Especial “Brasil: Superar a Fome é Possível”. O evento acontece nos dias 3 e 4 de junho, e é promovido pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, com o apoio do Banco Mundial e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O encontro vai reunir representantes de mais de dez países no Pavilhão Brasil da Expo Milão 2015.

     

     

    Tags:
    alimentação, fome, O Estado da Insegurança Alimentar no Mundo 2015, Metas do Milênio da ONU, Seminário Internacional Políticas Sociais para o Desenvolvimento, Cúpula Mundial de Alimentação, UNESCO, FAO, ONU, Tereza Campello, América Latina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik