21:04 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Palácio do Planalto

    Especialista diz que cortes no orçamento podem não salvar Brasil da crise

    Roberto Stuckert Filho/ PR
    Brasil
    URL curta
    139743

    Na última sexta-feira (22), o Governo anunciou cortes no orçamento como parte de sua estratégia para o ajuste fiscal. Do bloqueio total de quase R$ 70 bilhões, 67% estão concentrados nos investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e nas emendas parlamentares. Economista questiona eficácia da medida.

    Com as mudanças, a equipe econômica aumentou para 1,2% a previsão de retração do PIB, o Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no país. Anteriormente, o Governo previa para 2015 uma contração de 0,9%.

    Para o economista Raul Velloso, consultor econômico e ex-secretário de Planejamento Estratégico do Governo do Presidente José Sarney, o Governo acabou anunciando ajustes, e não cortes, exatamente para chegar em 2015 ao valor observado em 2013, em termos de percentagem do PIB. Porém, não se sabe ainda se isso basta. “O governo está cumprindo o que prometeu”, diz o consultor. “A questão é saber se isso é suficiente para conseguir obter a meta que foi estabelecida, a meta do superávit.”

    Raul Velloso acredita que as decisões apresentadas pelo Governo não devem ser suficientes, e podem aumentar os riscos de aumento tributário. “Eu acho que o risco de não conseguir bater a meta aumentou. Se o Governo ficar tranquilo em relação ao cumprimento da meta, ele vai ter que fazer um ajuste adicional, que pode ser feito ao longo do resto do ano, ou, eventualmente, até pensar na péssima hipótese de aumentar a carga tributária.”

    Segundo o economista, o Brasil precisa reduzir o gasto corrente excessivo que vem fazendo nos últimos anos, porque, na hora em que precisa ajustar, o Governo acaba ajustando o gasto de investimento e não o gasto corrente, que deveria ser o alvo do ajuste.

    Sobre o reflexo negativo que os cortes em setores de infraestrutura, segurança e educação poderão trazer para o Governo em relação às eleições municipais de 2016, Raul Velloso explica que qualquer ajuste é ruim e desgasta politicamente, porém o pior é o efeito que isso vai ter na economia brasileira. “Nós estamos vivendo uma situação de plena utilização da capacidade produtiva, e a economia só sairá do marasmo em que está se a gente puder ampliar a capacidade de produção. Só se amplia a capacidade de produção por meio do aumento dos investimentos, mas os investimentos estão sendo cortados, ao invés do gasto corrente. Como se vai ampliar a capacidade de produção e permitir um maior crescimento da economia, e fazer de forma natural a arrecadação de tributos para nos tirar do buraco fiscal em que nós nos encontramos, se os investimentos estão sendo cortados?”

    O economista só acredita numa possível recuperação da economia brasileira para o segundo semestre de 2016 se o Governo liberar os investimentos privados em infraestrutura. “Sem ver o Governo dar qualquer sinal de agir no sentido de destravar os investimentos privados, especialmente em infraestrutura, as chamadas concessões de infraestrutura, eu fico pensando se vai ter algum caminho ainda para ser trilhado este ano, e aí não tem jeito, eu acabo me juntando aos mais pessimistas.”

    Apesar da crise interna, Raul Velloso não acredita que os cortes anunciados vão prejudicar os investimentos estrangeiros no Brasil. “Eu acho que não prejudicam, pois o dinheiro externo está muito mais associado à classificação de bom pagador que o Brasil tem hoje, que é o chamado grau de investimento das agências de risco, do que a qualquer outra coisa. À medida que o ajuste se consolide, cessa o temor de que se perca a classificação. Cessando o temor, o dinheiro vai continuar fluindo normalmente para o país.”

    Tags:
    economia, PIB, Raul Velloso, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik