09:16 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    072
    Nos siga no

    De acordo com o presidente norte-americano, Joe Biden, o Paquistão, a Rússia e o Irã também vão querer chegar a acordos com os talibãs.

    O presidente dos EUA, Joe Biden, afirmou na terça-feira (7), que Pequim tratará de chegar a acordos com o Talibã (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países), após este ter tomado o território afegão e anunciado um novo governo interino.

    "A China tem um problema real com os talibãs. Dessa forma, vão tentar chegar a algum acordo com eles, estou certo disso", afirmou Biden, citado pela Reuters.

    Biden adicionou que a China não é o único país interessado nos acontecimentos no Afeganistão, o mesmo acontecendo com "o Paquistão, a Rússia e o Irã".

    Anteriormente, Biden observou que sua administração não vai reconhecer em um futuro próximo o governo talibã. "Isso está muito longe [de acontecer]", afirmou Biden.

    Na quinta-feira (2), o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, conversou com seu homólogo iraniano, Hosein Amir Abdolahian, sobre a situação no Afeganistão, ressaltando que, sendo vizinhos, ambos os países devem fortalecer a cooperação e a coordenação para desempenhar um papel construtivo na implementação de uma transição suave e da reconstrução pacífica do Afeganistão.

    Wang Yi expressou a esperança de que o novo governo talibã seja "aberto e abrangente", rompa com as organizações terroristas e se concentre no desenvolvimento de "boas relações com outros países, sobretudo com os países vizinhos".

    Por sua vez, o chanceler iraniano atribuiu o atual "caos no Afeganistão" à "irresponsabilidade dos EUA".

    Mais:

    Putin: 20 anos de presença dos EUA no Afeganistão só causaram tragédias
    Trump diz que Biden 'se deve desculpar' pela saída 'desastrosa' das tropas do Afeganistão
    Al-Qaeda teria elogiado vitória 'histórica' do Talibã no Afeganistão e instado a liberar Caxemira
    Tags:
    China, EUA, Joe Biden, Afeganistão, Talibã, problemas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar