07:04 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    12917
    Nos siga no

    Diversas pessoas morreram após os talibãs abrirem fogo contra protestos dedicados ao Dia da Independência na cidade afegã de Asadabad, segundo mídia.

    "Diversas pessoas morreram em decorrência dos disparos realizados pelos talibãs durante um protesto dedicado ao Dia da Independência na cidade afegã de Asadabad", informou a Reuters, citando fontes.

    Nesta quinta-feira (19), o Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países) exortou a multidão de afegãos que esperava fora do aeroporto de Cabul, na esperança de fugir do país, a voltar para casa, dizendo que não queriam ferir ninguém.

    A declaração ocorreu um dia após os talibãs abrirem fogo contra manifestantes, resultando na morte de três pessoas.

    O Afeganistão comemora hoje (19) o Dia da Independência, assinalado por protesto contra os terroristas. Os EUA e outros países seguem evacuando seus cidadãos e alguns de seus funcionários afegãos no aeroporto de Cabul.

    No domingo (15), após a fuga do ex-presidente afegão Ashraf Ghani, o Talibã anunciou seu controle total sobre as instituições oficiais de Cabul, sobre a guarda do palácio presidencial e sobre a organização de patrulhas noturnas na cidade.

    Na noite de segunda-feira (16), o porta-voz do gabinete político do movimento Talibã, Mohammed Naim, afirmou que a guerra no Afeganistão acabou e que a forma de governo do Estado seria determinada no futuro próximo.

    De acordo com a OTAN e um oficial talibã, 12 pessoas já morreram desde domingo (15) em decorrência de disparos de armas de fogo e tumultos em torno do aeroporto de Cabul.

    Mais:

    Com que armas ficaram os talibãs após rendição do Exército afegão?
    Talibã declara suspensão de todos os voos no aeroporto de Cabul, diz mídia
    Talibã exige retirada de tropas dos EUA até 11 de setembro como anunciado e promete não as atacar
    Tags:
    Afeganistão, Talibã, disparos, mortes, protestos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar