21:01 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0203
    Nos siga no

    A nova legislação antimonopólio na China, apresentada nesta terça-feira (17), tem como objetivo reprimir a concorrência desleal no setor tecnológico e limitar o uso de dados de clientes.

    As ações das gigantes tecnológicas chinesas Tencent e Alibaba caíram hoje (17) em quase 5%, depois que um regulador nacional apresentou as novas regras destinadas a terminar com os monopólios na Internet na China.

    O novo regulamento foi emitido pela Administração Estatal de Regulação de Mercado da China, aponta a agência Reuters.

    É, em particular, proibido o uso de dados ou algoritmos com a intenção de influenciar as escolhas dos internautas, tal como utilizar meios ilegais para obter dados de outras empresas. De igual modo, a produção e disseminação de informações falsas que prejudiquem a reputação de entidades concorrentes também não são permitidas, bem como o uso de revisões falsas (fake reviews) e indução dos usuários a deixarem revisões positivas.

    Após a publicação do regulamento, a companhia Tencent sofreu uma queda de 4,5% enquanto a Alibaba Group Holding Ltd. perdeu cerca de 3,13 % de suas ações, de acordo com os dados do MarketWatch.

    As novas regras devem entrar em vigor em 15 de setembro deste ano.

    Contudo, foi também foi anunciado que, a partir do 1º de setembro, o mesmo regulador adotará medidas de proteção de informações críticas, exigindo que qualquer compra de produtos e serviços na Internet que possa representar uma ameaça à segurança nacional seja submetida a uma verificação de segurança.

    As novas medidas vêm em meio ao escrutínio pelo governo chinês das empresas de tecnologia no país, cujo objetivo é reforçar seu controle sobre o setor em causa, de modo a mitigar os riscos de abuso de poder no mercado.

    Mais:

    CIA pretende criar unidade independente focada na China, segundo relatos
    Vendas de ações de empresas da China atingem recorde nos EUA apesar da ameaça de expulsão das bolsas
    Pacto Mercosul-UE é muito mais vantajoso para o Brasil do que acordo com a China, afirma economista
    Tags:
    China, mercado, tecnologia, economia, ações, regulamentação, governo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar