01:40 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    9394
    Nos siga no

    Neste domingo (16), o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, deu diversas declarações sobre a escalada do conflito entre Israel e Palestina, propondo intermédio para o diálogo entre os países e condenando a violência contra civis.

    As declarações foram realizadas durante reunião de emergência do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre as tensões entre Israel e Palestina.

    "A China intensificará os esforços para promover negociações de paz e cumprir seriamente nosso dever como presidente do Conselho", disse o chanceler chinês, reiterando uma oferta de receber os lados na China para dialogar.

    Wang Yi acrescentou que os Estados Unidos devem assumir uma posição justa em relação ao conflito, uma vez que não houve uma declaração conjunta do Conselho de Segurança da ONU devido a uma objeção de Washington.

    O então vice-presidente dos EUA, Joe Biden, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, apertam as mãos no gabinete do primeiro-ministro em Jerusalém, Israel, 9 de março de 2016 (foto de arquivo)
    © AP Photo / Debbie Hill
    O então vice-presidente dos EUA, Joe Biden, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, apertam as mãos no gabinete do primeiro-ministro em Jerusalém, Israel, 9 de março de 2016 (foto de arquivo)

    No início da semana, a organização enfrentou obstáculos ao tentar produzir uma declaração conjunta à imprensa condenando as hostilidades. A iniciativa, porém, esbarrou em um veto norte-americano. O chanceler chinês lamentou o fato.

    "Pedimos aos Estados Unidos que mostrem suas devidas responsabilidades, assumindo uma posição justa e que, junto com a maioria da comunidade internacional, apoiem o Conselho de Segurança para aliviar a situação, reconstruir a confiança e avançar em acordos políticos", continuou o ministro.

    Na sexta-feira (14), a porta-voz da chancelaria chinesa, Hua Chunying, já havia emitido críticas contra Washington, afirmando que os EUA ignoram o sofrimento palestino enquanto dizem defender os direitos humanos. 

    A declaração veio após os EUA bloquearem a reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a questão Israel-Palestina marcada para a sexta-feira (14), mas que acabou sendo realizada neste domingo (16).

    China condena a violência e faz apelo ao diálogo

    O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, também pediu neste domingo (16) que Israel facilite o acesso à assistência humanitária na Faixa de Gaza e pare com a demolição de casas e prédios palestinos.

    "Instamos Israel [...] a garantir a segurança e os direitos dos civis no território palestino ocupado e a facilitar o acesso à assistência humanitária", disse, acrescentando que o lado palestino também deve trabalhar para evitar mortes de civis e reverter a escalada do confronto.
    Chamas e fumaça sobem durante ataques aéreos israelenses em meio a uma explosão de violência israelense-palestina, no sul da Faixa de Gaza em 11 de maio de 2021
    © REUTERS / IBRAHEEM ABU MUSTAFA
    Chamas e fumaça sobem durante ataques aéreos israelenses em meio a uma explosão de violência israelense-palestina, no sul da Faixa de Gaza em 11 de maio de 2021

    O chanceler chinês ainda condenou a violência na Faixa de Gaza e propôs que Israel e Palestina se comprometessem com um cessar-fogo.

    "A China condena veementemente a violência contra civis e mais uma vez insta as partes no conflito a cessarem imediatamente as ações militares e hostilidades", apontou.

    Os ataques de Israel contra a Faixa de Gaza já deixaram quase 200 mortos. Já do lado israelense, dez mortes foram registradas. As Forças de Defesa de Israel (FDI) afirmam que foram lançados mais de 3.000 foguetes contra o território israelense e apontam que mais de 1.500 alvos do Hamas foram atingidos em resposta.

    Mais:

    Chancelaria da Arábia Saudita condena 'violações flagrantes' dos direitos palestinos por Israel
    Número de mortes no conflito entre Palestina e Israel se aproxima de 200 pessoas
    Tornado em Wuhan, na China, deixa 6 mortos e 218 feridos
    Tags:
    Palestina, Israel, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar