01:10 27 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    062
    Nos siga no

    No dia 1º de fevereiro, o governo chinês aprovou uma lei que permite à sua Guarda Costeira abrir fogo contra navios estrangeiros nas águas que Pequim considera suas.

    Dois navios da Guarda Costeira chinesa, um deles armado com o que parecia ser um canhão automático, entraram na madrugada desta terça-feira (16) nas águas territoriais do Japão na zona das ilhas Senkaku, informa o Japan Times.

    Os navios se aproximaram de um navio pesqueiro japonês protegido pela Guarda Costeira, que repetidamente instou os navios chineses a abandonarem a zona.

    Outros dois navios chineses que se mantinham na área desde segunda-feira (15) seguiram seu exemplo duas horas e meia depois.

    A China intensificou as patrulhas na zona disputada, sendo esta a sétima vez que enviou seus navios às águas territoriais japonesas, e a primeira a enviar um navio armado desde que, no dia 1º de fevereiro deste ano, aprovou uma lei permitindo abrir fogo contra embarcações estrangeiras nas águas que Pequim considera suas.

    O porta-voz do governo japonês, Katsunobu Kato, qualificou a última incursão como algo "lamentável", afirmando que a aproximação ao pesqueiro foi "absolutamente inaceitável".

    "Estas ações são uma violação do direito internacional", afirmou o porta-voz durante coletiva de imprensa, afirmando que o governo havia expressado seu protesto mediante os canais diplomáticos em Tóquio e Pequim.

    Pequim justificou o movimento de seus navios perto do arquipélago desabitado chamando as águas do mar do Sul da China de seu "território inerente".

    Mais:

    Marinha da Índia rastreia embarcação chinesa próximo às ilhas Andaman
    EUA fortalecem Corpo de Fuzileiros para conter Marinha chinesa
    Marinha chinesa pode acabar com hegemonia dos EUA no oceano Atlântico, diz mídia
    Tags:
    Marinha, Marinha chinesa, navios, navios de guerra, China, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar