04:50 20 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0133
    Nos siga no

    Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, rejeitou acusações de Ottawa de que o país asiático está conduzindo uma campanha adversária contra o Canadá.

    O Ministério das Relações Exteriores da China criticou na quarta-feira (10) a postura de David Vigneault, diretor do Serviço Canadense de Inteligência de Segurança (CSIS, na sigla em inglês), que acusou Pequim de fazer um ataque "em todas as frentes" contra o Canadá.

    "Rejeitamos essas afirmações, que não têm base fatual", disse Wang Wenbin, porta-voz da chancelaria chinesa, em coletiva de imprensa.

    "Exortamos alguns políticos canadenses a abandonar a mentalidade da Guerra Fria e o preconceito ideológico, a parar com ataques difamatórios não provocados à China, a parar de espalhar comentários alarmistas, a fazer mais coisas que sejam propícias às relações sino-canadenses, e a fazer mais coisas que sejam propícias ao aumento da confiança mútua entre a China e o Canadá", comentou.

    O diplomata chinês afirmou que a China defende o princípio da não interferência, e que nunca vai "prender arbitrariamente um cidadão de um país terceiro a mando de uma potência estrangeira", em provável referência a Meng Wanzhou, detida no Canadá em 1º de dezembro de 2018 por pedido dos EUA.

    "O governo da China [...] está buscando uma estratégia de vantagem geopolítica em todas as frentes – econômica, tecnológica, política e militar, e utilizando todos os elementos do poder estatal para realizar atividades que são uma ameaça direta à nossa segurança e soberania nacional", declarou Vigneault na terça-feira (9) em comunicado.

    Wenbin disse que Pequim está seguindo um caminho diferente.

    "A China está comprometida com um caminho de desenvolvimento pacífico, uma estratégia de abertura com vantagens mútuas e a construção de uma comunidade com um futuro comum para a humanidade", defende.

    Mais:

    Reino Unido define China como 'desafio crônico' e Rússia como 'ameaça aguda'
    Relatório da OTAN indica que a China poderia ameaçar a Europa e aos EUA
    China incentiva nações asiáticas a se unirem contra 'mentalidade antiquada de Guerra Fria' dos EUA
    Putin: alguns acham que saíram vitoriosos da Guerra Fria e que podem reescrever a história
    Tags:
    China, Canadá, Guerra Fria, Ministério das Relações Exteriores, Ministério das Relações Exteriores da China, Meng Wanzhou
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar