18:19 04 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2333
    Nos siga no

    Depois de surto semelhante em 2019, Mongólia volta a enfrentar casos de uma doença que ficou famosa para sempre devido a surto em meados do século XIV.

    Duas pessoas na Mongólia, que tiveram contato direto com pelo menos 146 pessoas e mais 504 pessoas de forma indireta, se infectaram ao consumir carne de marmota, levando o Centro Nacional de Doenças Zoológicas (CNZD) da Mongólia a fechar a cidade de Khovd.

    Segundo relatado pela organização na quarta-feira (1º), as vítimas da região cognome, no ocidente do país que faz fronteira com Rússia e China, correspondem a um homem de 27 anos e a uma jovem mulher de idade desconhecida, e a CNZD está analisando amostras dos indivíduos.

    Em 2019, um surto da peste bubônica em uma província próxima da fronteira com a Rússia provocou duas mortes e levou ao fechamento temporário da fronteira.

    A peste bubônica matou de 75 milhões a 200 milhões de pessoas na Eurásia e África do Norte no século XIV, com mortalidades significantes na Europa, onde dizimou até 60% da população, e recorrendo periodicamente ao longo dos séculos.

    No entanto, ao contrário da varíola e da peste bovina, que foram erradicadas, a peste bubônica ainda teve 3.248 casos registrados no mundo entre 2010 e 2015, incluindo 584 mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Por ser causada pela bactéria Yersinia pesti, a doença é tratada com antibióticos modernos.

    Mais:

    Praga medieval: China registra 4º caso de peste bubônica neste mês
    'Diabo' teria reduzido contágio da peste negra, aponta estudo
    Cadáver de 5.000 anos revela mistério do primeiro caso de peste na Europa (FOTO)
    Tags:
    China, Rússia, Mongólia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar