13:51 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    161857
    Nos siga no

    Marinha americana enviou simultaneamente ao mar todos seus submarinos de primeira linha localizados no Pacífico em mensagem "incomum" supostamente destinada à China.

    A mobilização da flotilha de submarinos dos EUA no Pacífico teria como objetivo a condução de "operações de resposta de contingência" no oeste do oceano.

    Além disso, o movimento seria uma prova de que a força militar não perdeu capacidade de agir, mesmo durante a pandemia do coronavírus, publicou o portal Military.com.

    O movimento teria contado com pelo menos sete submarinos, incluindo quatro submarinos de ataque com base em Guam, o USS Alexandria, com porto em San Diego, Califórnia, assim como diversos vasos baseados no Havaí.

    Mensagem à China

    Ainda de acordo com o portal, o Pentágono deseja ser flexível e imprevisível na competição de potências globais com a Rússia e a China.

    "Nossas operações são uma demonstração de nossa vontade de defender nossos interesses e liberdades de acordo com o direito internacional", publicou a Marinha americana citando o contra-almirante Blake Converse, comandante da força de submarinos dos EUA no Pacífico.

    É válido ressaltar que submarinos de ataque tiram vantagem de sua "invisibilidade" para torpedear navios, disparar mísseis e conduzir operações de vigilância enquanto o inimigo aplica esforços a sua procura.

    "A força de submarinos da Frota do Pacífico continua letal, ágil e pronta para lutar esta noite", acrescentou Converse.

    Contudo, a movimentação de embarcações dos EUA em certas regiões do Pacífico gera atritos em suas relações com Pequim.

    Mais:

    Novíssimo submarino nuclear russo inicia testes de mar no Ártico (VÍDEO)
    Marinha chinesa teria reforçado frota naval com 6 submarinos nucleares
    Pentágono quer US$ 17,7 bilhões para construção de submarinos nucleares
    Tags:
    pandemia, COVID-19, China, Marinha dos EUA, Pacífico, EUA, submarinos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar