14:48 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Pandemia da COVID-19 e o mundo no início de maio (100)
    3102
    Nos siga no

    Atualmente, a tarefa principal é a luta contra a pandemia da COVID-19, opina o gigante asiático, e não a origem do coronavírus.

    Pequim não dá prioridade a convidar especialistas estrangeiros para investigar a origem do coronavírus até que a pandemia seja derrotada, salientou nesta quarta-feira (6) o embaixador chinês ante a ONU em Genebra, Chen Xu.

    "A principal prioridade, atualmente, é se concentrar na luta contra a pandemia até que alcancemos a vitória final", declarou Chen durante uma coletiva de imprensa digital, segundo a agência AFP.

    "E quanto a como será realizada a investigação, se ocorrer, devemos estabelecer prioridades corretas neste momento e, por outro lado, necessitamos o ambiente correto", agregou.

    "Não é que sejamos alérgicos a nenhum tipo de investigação, consulta ou avaliação", assegura o embaixador. Contudo, ressaltou que agora o necessário é "correr contra o relógio para salvar tantas vidas como possível".

    Acusações contra a China

    A declaração de Chen ocorre em meio a denúncias de alguns políticos, que acusam a China de estar por trás do coronavírus. Na última quinta-feira (30), o presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou que acredita que o patógeno foi criado em um laboratório de Wuhan.

    Contudo, o Instituto de Virologia de Wuhan nega rotundamente ser responsável pela origem do vírus, comentando que "não há forma" de que provenha de seus laboratórios. Pesquisadores chineses, assim como a maioria dos especialistas de outros países, defendem que o vírus foi transmitido para humanos através de um animal hospedeiro intermediário.

    Geng Shuang, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, salientou que a China foi vítima da COVID-19 e não cúmplice, agregando que tentativas de "certos políticos" de culpar Pequim de sua má administração da proliferação somente expõe "os próprios problemas dos EUA". "O inimigo é o vírus, não a China", concluiu o funcionário.

    Tema:
    Pandemia da COVID-19 e o mundo no início de maio (100)

    Mais:

    Presidente do Estado-Maior Conjunto: Pentágono desconhece origem do coronavírus
    Brasil tem 100 mil testes de coronavírus que ainda não foram contabilizados, diz Ministério da Saúde
    Pequim realiza exercícios no mar do Sul da China em meio a provocações dos EUA
    Tags:
    pandemia, China, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar