20:45 01 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    672
    Nos siga no

    Em meio ao espalhamento do novo coronavírus, epidemiologista comenta a possibilidade de haver perigo de encomendas com produtos chegadas da China.

    As autoridades da China estão tomando medidas de emergência para evitar a epidemia provocada pelo novo tipo de coronavírus. O vírus já se espalhou fora dos limites da China com casos de infeção registrados na Coreia do Sul, Japão, EUA, Vietnã, Singapura, Arábia Saudita, Tailândia e Taiwan.

    Nesse âmbito, surge a pergunta se seria perigoso receber produtos da China através de lojas na Internet. O médico epidemiologista Aleksei Rtischev, em uma entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, comentou a possível ameaça.

    De acordo com ele, atualmente não há dados sobre a possibilidade do vírus ser transmitido através de objetos domésticos ou por via de contato.

    "Pelo menos, isso funciona com objetos que possam conter o vírus e percorram distâncias. O vírus é transmitido por via aérea em contato bastante próximo. Os especialistas não têm motivos para alertar ou limitar o uso de objetos, produtos e bens de produção chinesa", explicou o epidemiologista.

    Ao mesmo tempo, medidas da prevenção e controle do espalhamento do vírus estão sendo tomadas por toda a China. As regras mais rigorosas são aplicadas na província de Hubei, onde foi detectado o foco da infecção. Agora na província todas as maiores cidades estão fechadas à entrada e saída de transporte público.

    O coronavírus 2019-nCoV se destaca por sintomas semelhantes aos da gripe, tais como febre e dificuldade em respirar. A diferença é que o novo vírus pode estar acompanhado de uma forma mortalmente perigosa de pneumonia. As radiografias de tórax dos infectados mostram lesões invasivas nos pulmões.

    Mais:

    Para conter coronavírus, hospital será construído em 6 dias na China
    Sopa de morcego servida na China em meio a surto de coronavírus gera polêmica (VÍDEO)
    Coronavírus: número de mortos sobe para 25 e China confirma 830 casos da doença
    Tags:
    produtos, vírus, epidemia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar