05:51 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Navios militares dos EUA, USS Bonhomme Richard (primeiro de baixo), e USS Boxer (segundo de cima),  participam de exercícios navais com grupo de pronta-resposta da Unidade Anfíbia da Coreia do Sul, em Ssang Yong, 8 de março de 2016

    Exercícios EUA-Coreia do Sul colocam conversas nucleares em risco, diz Pyongyang

    © REUTERS / Corpo de Fuzileiros dos EUA/Cpl. Darien J. Bjornda
    Ásia e Oceania
    URL curta
    680
    Nos siga no

    Os Estados Unidos parecem dispostos a quebrar a promessa de não realizar exercícios militares com a Coreia do Sul, colocando em risco as negociações para que a Coreia do Norte abandone suas armas nucleares, disse o Ministério do Exterior norte-coreano nesta terça-feira.

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que concordou com a retomada das negociações paralisadas com a Coreia do Norte em uma reunião surpresa com seu líder Kim Jong-un no mês passado, pareceu imperturbável, reiterando que não se sentia pressionado a concluir um acordo rápido.

    Mais cedo, o Ministério de Relações Exteriores da Coreia do Norte disse que o padrão de Washington de "renegar unilateralmente seus compromissos" estava levando Pyongyang a reconsiderar seus próprios compromissos de descontinuar testes de armas nucleares e mísseis balísticos intercontinentais.

    "Nossa interrupção dos testes nucleares e de ICBM [míssil intercontinental] e a suspensão dos exercícios militares conjuntos pelos EUA são, em todos os seus objetivos, compromissos assumidos para melhorar as relações bilaterais. Eles não são um documento legal inscrito em um documento", afirmou.

    Em outro comunicado divulgado pela agência de notícias estatal KCNA, um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores acusou Washington e Seul de pressionar os exercícios militares de Dong Maeng neste verão, e os chamou de "ensaio de guerra".

    "Vamos formular nossa decisão sobre a abertura de conversas em nível de trabalho, enquanto vigiamos a decisão dos EUA daqui em diante", declarou o porta-voz.

    Um porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA disse que Coreia do Sul e Estados Unidos estavam se preparando para realizar um programa de treinamento combinado "de rotina", mas sugeriu que os exercícios foram reduzidos para facilitar a diplomacia.

    "Trabalhando com a Coreia do Sul, este programa de treinamento foi ajustado para manter a prontidão e apoiar os esforços diplomáticos", afirmou o tenente-coronel Dave Eastburn. "Esse treinamento combinado de rotina demonstra o compromisso dos EUA com a aliança e a defesa da Coreia do Sul [em solo sul-coreano] por meio de atividades que aumentam a prontidão combinada".

    Reunião Trump-Kim

    Trump apareceu para revitalizar os esforços para persuadir a Coreia do Norte a desistir de suas armas nucleares quando ele se encontrou com Kim na fronteira entre as Coreias no mês passado e disse que concordou em retomar as chamadas conversas em nível de trabalho desde o colapso da segunda cúpula em fevereiro.

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse na época que as negociações provavelmente aconteceriam "em julho, provavelmente nas próximas duas ou três semanas". Mas as datas ainda não foram anunciadas, e o comunicado norte-coreano levanta mais dúvidas sobre quando - e se - elas seguirão em frente.

    Presidente dos EUA Donald Trump e líder norte-coreano Kim Jong-un durante encontro na linha demilitarizada, 30 de junho de 2019
    Susan Walsh/AP
    Presidente dos EUA Donald Trump e líder norte-coreano Kim Jong-un durante encontro na linha demilitarizada, 30 de junho de 2019

    Falando em uma reunião de gabinete na terça-feira, Trump ressaltou seu "ótimo relacionamento" com Kim e disse que seu governo fez "um tremendo progresso" e teve "uma grande comunicação" com a Coreia do Norte. Ele declarou que "o tempo não é da essência".

    "Vamos ver o que acontece", comentou Trump. "Em algum momento - eu estou absolutamente sem pressa - provavelmente podemos fazer algo que será muito bom para eles e para todos e para o mundo".

    A porta-voz do Departamento de Estado, Morgan Ortagus, descreveu as declarações da Coreia do Norte como tendo vindo de "uma pessoa dentro do Ministério de Relações Exteriores".

    Ela disse que o departamento está ansioso para retomar as negociações e espera que "ninguém tente bloquear - em seu governo ou em nosso próprio governo - a capacidade do presidente Trump e do presidente Kim em progredir nos compromissos que eles fizeram um para o outro".

    Apesar das palavras de otimismo de Trump, os dois lados parecem não estar mais perto de reduzir suas diferenças em relação às demandas norte-americanas pela completa desnuclearização da Coréia do Norte e às demandas de Kim por alívio da punição de sanções.

    O porta-voz norte-coreano disse que Trump reafirmou em sua reunião com Kim no mês passado que os exercícios conjuntos seriam interrompidos e que a decisão dos EUA de avançar com eles era "claramente uma violação" dos dois acordos de líderes em Singapura no ano passado.

    "Com os EUA renegando unilateralmente seus compromissos, estamos gradualmente perdendo nossas justificativas para cumprir os compromissos que assumimos com os EUA também", pontuou.

    A Coreia do Norte congelou testes de armas nucleares e mísseis balísticos intercontinentais desde 2017. Trump repetidamente elogiou isso como um triunfo por seus esforços diplomáticos, apesar de a Coreia do Norte ter testado novos mísseis de curto alcance em maio.
    Em sua primeira reunião com Kim em Singapura em junho do ano passado, Trump prometeu interromper o que chamou de exercícios "muito provocativos" e caros com a Coreia do Sul depois que os dois líderes concordaram em trabalhar para a desnuclearização da península coreana e melhorar os laços.

    Enquanto os principais exercícios anuais da Coreia do Sul-EUA foram interrompidos, os países ainda realizam exercícios menores.

    Jacqueline Leeker, porta-voz da Forças Coreanas dos EUA, disse que as tropas norte-americanas e sul-coreanas continuaram a treinar juntas, mas ajustaram o tamanho, o escopo, o número e o tempo dos exercícios para "harmonizar" os programas de treinamento com esforços diplomáticos.

    Falando em um talk show de rádio dos EUA na segunda-feira, Pompeo não disse quando as negociações com a Coreia do Norte poderiam ser retomadas, mas ele esperava que ambos os lados pudessem "ser um pouco mais criativos" na abordagem deles quando o fizeram.

    Mais:

    Pentágono reconhece que mísseis da Coreia do Norte podem alcançar território continental dos EUA
    Coreia do Norte reforçará defesa contra caças norte-americanos F-35, diz mídia
    Pompeo diz que EUA e Coreia do Norte precisam de 'criatividade' em negociações
    Tags:
    relações bilaterais, armas nucleares, diplomacia, desnuclearização, Mike Pompeo, Kim Jong-un, Donald Trump, Singapura, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar