08:49 14 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    F-35A Lightning II sendo abastecido por um KC-135 Stratotanker, 12 de maio de 2019

    Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

    © Piloto Keifer Bowes
    Ásia e Oceania
    URL curta
    18183
    Nos siga no

    Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.

    Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

    De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

    "A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacidades do F-35", diz o documento, especificando que a fabricante faz parte da cadeia de fornecimento do F-35.

    Esta não é a primeira vez que o Exército dos EUA escondeu o envolvimento chinês na cadeia de abastecimento dos caças da Lockheed Martin. Uma publicação afirmava em novembro de 2018 que a empresa fabricava "placas de circuito que controlam muitas das principais capacidades do F-35, incluindo seus motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação".

    De acordo com o diretor da empresa, Mike Devine, a Exception PCB fabrica "placas de circuito sem revestimentos apenas no Reino Unido para todas as nossas empresas aeroespaciais e de defesa" e tem uma parceria com a GE Aviation há décadas, além de assegurar que nenhum cidadão chinês possa acessar dados do F-35.

    "Todos os dados estão protegidos em um servidor interno separado e o acesso aos dados está protegido por palavras-passe, acessíveis apenas a algumas pessoas selecionadas que foram fiscalizadas pela GE", disse ele à emissora.

    "A Exception PCB produz placas de circuito desencapadas e, como resultado, não há riscos associados ao seu produto na cadeia de fornecimento de aeronaves F-35", garantiu o porta-voz do ministério britânico, conforme citado pela Sky.

    Contudo, a Lockheed Martin sinalizou que os riscos ainda estão presentes, embora "todos os componentes do F-35 sejam inspecionados repetidamente em cada estágio de fabricação".

    As declarações se seguem a uma escalada de tensões entre a gigante tecnológica chinesa e os EUA, que acusam a Huawei de explorar a infraestrutura cibernética em nome do governo da China, o que é categoricamente negado pela empresa em questão, sediada na cidade chinesa de Shenzhen.

    Previamente, a Administração Trump introduziu uma proibição do uso de tecnologia da empresa chinesa, impedindo que as empresas americanas, incluindo a Google, negociem com a empresa sem a aprovação do governo.

    Além disso, a Casa Branca está tentando fazer com que seus aliados europeus, incluindo o Reino Unido, impeçam a Huawei de construir a infraestrutura 5G, ameaçando restringir a cooperação de inteligência com qualquer país que permita que o equipamento Huawei seja usado em suas próprias redes.

    Mais:

    Caso Huawei: EUA fomentam uma iminente guerra tecnológica global, afirma Putin
    China pretende proteger Huawei em meio à pressão dos EUA, revela imprensa
    Quais são as consequências da proibição da gigante chinesa Huawei para os EUA?
    Tags:
    fabricação, Reino Unido, F-35, Huawei
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar