05:25 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Diego García - o maior atol do arquipélago de Chagos em que se localiza a base militar dos EUA

    EUA e Reino Unido podem perder base militar estratégica no oceano Índico

    © flickr.com / Jennifer
    Ásia e Oceania
    URL curta
    10471
    Nos siga no

    Washington e Londres podem perder o controle sobre um arquipélago estrategicamente importante no oceano Índico, onde se localiza uma base militar norte-americana. O assunto será resolvido em votação na Assembleia Geral da ONU em 22 de maio.

    Trata-se do arquipélago de Chagos que atualmente é considerado um território pertencente ao Reino Unido. Vale destacar que é também o local onde se situa a base militar norte-americana de Diego García, usada por bombardeiros em missões de longo alcance.

    Segundo escreve o jornal The Guardian, Washington e Londres podem enfrentar uma derrota diplomática nas Nações Unidas, uma vez que se espera que a Assembleia Geral vote esmagadoramente a favor da entrega por Londres desse território à República de Maurício.

    A missão de Maurício na ONU espera vir a ter o apoio de mais de 100 Estados-membros. No entanto, Washington e Londres fazem lobby com vista a proteger os seus interesses.

    Segundo sugeriu o embaixador das Ilhas Maurício na ONU, Jagdish Koonjul, este esforço de lobby deverá fracassar e grande parte da Europa poderá se abster ou votar a favor de Maurício.

    "Espero que vários países europeus defendam o primado da lei e demonstrem que valorizam e respeitam as instituições que os próprios Estados-membros criaram", disse Koonjul.

    O Reino Unido tomou posse do Arquipélago de Chagos em 1814 e permaneceu nas ilhas após a independência das Ilhas Maurício em 1968, supostamente por meio de coerção sobre os líderes que alcançaram a independência. Três anos antes, Londres arrendou secretamente uma das ilhas, Diego García, aos Estados Unidos na qualidade de base militar.

    Os habitantes das ilhas foram desalojados à força e continuam há décadas realizando campanha por seu retorno à terra natal.

    A resolução elaborada pelas Ilhas Maurício — a ser votada na Assembleia Geral — exige que o Reino Unido renuncie ao controle no prazo de seis meses e coopere no retorno dos chagossianos e outros cidadãos de Maurício ao arquipélago.

    A República de Maurício propôs um contrato de longo prazo a Washington e Londres, mas os dois países aliados rejeitaram a oferta, argumentando que este documento não exclui o veto de Maurício sobre operações militares futuras e o arrendamento de atóis a outras potências, em particular à China.

    Mais:

    Caças dos EUA acompanham bombardeiros estratégicos russos durante sobrevoo do Ártico
    EUA têm grandes planos para Marinha e falam em atingir 355 navios de guerra em uns 10 anos
    Jato dos Fuzileiros Navais dos EUA cai na Carolina do Norte
    'Caixão nuclear' dos EUA representa perigo para águas do Pacífico?
    Tags:
    controle, votação, disputa territorial, base militar, ONU, Ilhas Maurício, Reino Unido, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar