17:57 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    A bandeira da República Popular da China e as Estrelas e Listras dos Estados Unidos tremulam pela Avenida da Pensilvânia, perto do Capitólio dos EUA, durante a visita de Estado do presidente chinês, Hu Jintao em 18 de janeiro de 2011 (foto de arquivo).

    China não vai se rebaixar aos EUA para negociar, alerta principal diplomata chinês

    © REUTERS / Hyungwon Kang
    Ásia e Oceania
    URL curta
    9250
    Nos siga no

    O diplomata chinês Wang Yi disse ao secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, neste sábado que as recentes palavras e ações dos EUA prejudicaram os interesses da China e de suas empresas, e que Washington deve mostrar moderação, informou o Ministério de Relações Exteriores da China.

    Falando com Pompeo por telefone, Wang afirmou que os Estados Unidos não devem ir longe demais na disputa comercial atual entre os dois lados, acrescentando que a China ainda está disposta a resolver diferenças através de negociações, mas elas devem estar em pé de igualdade.

    Sobre o Irã, Wang pontuou que a China espera que todas as partes se exercitem e agir com cautela para evitar o aumento das tensões.

    A porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Morgan Ortagus, destacou em uma declaração que Pompeo conversou com Wang e discutiu questões bilaterais e preocupações dos EUA sobre o Irã, mas não deu outros detalhes.

    As tensões entre Washington e Teerã aumentaram nos últimos dias, levantando preocupações sobre um potencial conflito entre os EUA e o Irã. No começo da semana, os Estados Unidos retiraram parte de sua equipe diplomática de sua embaixada de Bagdá depois dos ataques contra petroleiros no golfo Pérsico.

    A China adotou um tom mais agressivo em sua guerra comercial com os Estados Unidos na sexta-feira, sugerindo que a retomada das negociações entre as duas maiores economias do mundo não teria sentido a menos que Washington mudasse de rumo.

    A conversa dura durou uma semana em que Pequim divulgou novas tarifas de retaliação, funcionários dos EUA acusam a China de recuar nas promessas feitas durante meses de negociações e o governo Trump é um golpe potencialmente poderoso contra uma das maiores e mais bem-sucedidas empresas chinesas.

    Os Estados Unidos anunciaram na quinta-feira que colocariam a Huawei Technologies, maior fabricante de equipamentos de telecomunicações do mundo, em uma lista negra que pode tornar extremamente difícil fazer negócios com empresas norte-americanas.

    O Departamento de Comércio dos EUA declarou na sexta-feira que poderá reduzir as restrições à Huawei. Ele disse que estava considerando a emissão de uma licença geral temporária para "impedir a interrupção das operações e equipamentos de rede existentes".

    Os potenciais beneficiários dessa licença poderiam, por exemplo, incluir fornecedores de telecomunicações em partes pouco povoadas de estados dos EUA, como Wyoming e Oregon, que compraram equipamentos de rede da Huawei nos últimos anos.

    Na sexta-feira, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Lu Kang, perguntou sobre os relatos da mídia estatal sugerindo que não haverá mais negociações comerciais, disse que a China sempre incentivou a resolução de disputas com os Estados Unidos por meio de diálogo e consultas.

    Mais:

    China pode causar caos global se retaliar com venda de títulos dos EUA, revela analista
    Ações norte-americanas despencam após novas tarifas impostas pela China
    Como China pode responder aos EUA na guerra comercial?
    Tags:
    diplomacia, relações bilaterais, tarifas, comércio, retaliação, economia, Departamento de Estado dos EUA, Huawei, Lu Kang, Donald Trump, Morgan Ortagus, Wang Yi, Mike Pompeo, Irã, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar