13:44 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Um soldado do exército paquistanês de guarda no topo de uma área frontal na Linha de Controle (LOC), que divide a Caxemira entre o Paquistão e a Índia. (Arquivo)

    Índia quer ver Paquistão rebaixado em lista de financiamento do terrorismo

    © AP Photo / Anjum Naveed)
    Ásia e Oceania
    URL curta
    420

    A Índia deve pedir à Força-Tarefa de Ação Financeira (FATF), uma organização internacional destinada a combater a lavagem de capitais e o financiamento do terrorismo, que rebaixe a nota do Paquistão na sua lista.

    A reunião da comissão está marcada para meados de maio.

    "Queremos que a FATF rebaixe a nota para o Paquistão", adiantou o ministro das Finanças da Índia, Arun Jaitley, citado pela Agência Reuters.

    Em fevereiro, o órgão de fiscalização elogiou os esforços do país no combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, mas criticou negativamente o ritmo geral das mudanças.

    A FATF pediu a Islamabad que "conclua rapidamente seu plano de ação, particularmente aqueles com cronogramas de maio de 2019".

    Qualquer potencial queda da posição do Paquistão com a FATF pode ter graves consequências para o país economicamente comprometido, uma vez que afugentaria os investidores estrangeiros.

    A declaração de Jaitley veio um dia depois de o comitê de sanções da ONU ter adicionado o líder do grupo militante Jaish-e-Mohammed (JeM), baseado no Paquistão, Masood Azhar, à sua lista de terroristas.

    A questão do JeM ficou em suspenso por algum tempo, já que a China estava revisando o caso de Azhar, mas acabou afirmando que não tinha objeções a tal designação.

    Nova Déli procurou marcar Azhar como terrorista desde 2016 e celebrou a decisão da ONU. Jaitley também elogiou o movimento, elogiando as sábias políticas externas do primeiro-ministro indiano Narendra Modi.

    "A Índia está justificada. Masood Azhar é agora um terrorista global. A Índia está em boas mãos. Isso marca um ponto alto para a política externa do primeiro-ministro", escreveu Jaitley no Twitter.

    O grupo militante Jaish-e-Mohammed é o grande responsável pelo recente surto de violência entre a Índia e o Paquistão. Foi ele o responsável por um ataque a bomba em fevereiro que ceifou vidas de 44 policiais paramilitares na parte controlada pela Índia na região da Caxemira.

    Mais:

    Paquistão vence 'guerra de 5ª geração', afirma general aposentado indiano
    'Histeria de guerra': Índia rejeita acusação do Paquistão sobre ataque iminente
    Premiê Modi alerta Paquistão: Índia não chora mais e tem 'bomba mais nuclear de todas'
    Tags:
    Jaish-e-Mohammed (JeM), Arun Jaitley, terrorismo, diplomacia, relações bilaterais, Caxemira, Narendra Modi, Índia, Paquistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar