20:39 24 Maio 2019
Ouvir Rádio
    O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte (foto de arquivo)

    Presidente filipino promete declarar guerra ao Canadá após denunciar 'tráfico de lixo'

    © REUTERS/ CZAR DANCEL
    Ásia e Oceania
    URL curta
    16423

    O presidente das Filipinas ameaçou declarar guerra ao Canadá caso o país não recolhesse imediatamente toneladas de lixo enviadas ilegalmente às ilhas asiáticas para descarte. Prática é ilegal e viola regulações internacionais.

    "Eu dou um aviso para o Canadá, talvez na próxima semana, é melhor resolver essas coisas ou vou velejar para o Canadá, vou jogar seu lixo lá", disse o presidente, citado pelo portal Rappler, acrescentando que declararia guerra contra o estado norte-americano se não houvesse resposta.

    Ele também aconselhou o Canadá a se preparar para receber o lixo. O presidente também ordenou às caminhonetes que deixassem o lixo perto da embaixada canadense em Makati. Duterte também ameaçou demitir funcionários da alfândega responsável por autorizar a entrada de lixo canadense no país.

    Recentemente, as Filipinas atacaram o Canadá, dizendo que os importadores privados vêm contrabandeando toneladas de lixo canadense para as Filipinas há vários anos. Enfrentando protestos de ambientalistas, o Canadá, no entanto, se recusou a receber de volta o material, justificando-se ao dizer que é incapaz de forçar uma empresa privada a recolher o lixo.

    O material descartado supostamente consistiria em fraldas usadas para adultos, jornais, garrafas de plástico e sacos. A prática violou partes da Convenção da Basileia sobre o Controle de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e seu Depósito, um tratado de 30 anos que impede que países enviem resíduos perigosos para o mundo em desenvolvimento sem o consentimento do governo.

    Tags:
    Convenção da Basileia sobre o Controle de Movimentos Transfronteiriços de Resíduos Perigosos e seu Depósito, Rodrigo Duterte, Filipinas, Canadá
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar