19:28 28 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    13170
    Nos siga no

    As fracassadas conversas frente a frente com o presidente Donald Trump levantam dúvidas sobre se os EUA estão realmente comprometidos em melhorar as relações com a Coreia do Norte, disse o líder Kim Jong-un, prometendo reforçar a defesa do país.

    Pyongyang dará aos Estados Unidos até o final do ano para abandonar "seu atual método de cálculo" em relação às negociações bilaterais e chegar a uma "postura correta", declarou Kim, citado pela agência de notícias estatal KCNA no sábado.

    Nesse caso, a Coreia do Norte considerará realizar uma terceira cúpula com o presidente Trump em algum momento no futuro, explicou o líder norte-coreano – em Washington, o discurso a favor de um novo encontro também já foi externado.

    Dirigindo-se ao Parlamento da nação, Kim afirmou que suas conversas com Trump em fevereiro levantaram "uma forte questão" se o país estava certo em fazer concessões. O encontro, que foi interrompido pela Casa Branca e terminou sem um acordo, também colocou em dúvida a "verdadeira disposição" de Washington para melhorar as relações com a Coréia do Norte.

    De acordo com Kim, o problema estava no "tipo de diálogo ao estilo americano", que equivalia a fazer demandas "unilaterais", sem estar pronto para "sentar-se frente a frente conosco e resolver o problema".

    Como Pyongyang espera que os EUA mudem sua postura, "continuará aumentando as capacidades de defesa", enfatizou o líder norte-coreano. Ele não especificou quais ramos das Forças Armadas serão fortalecidos e como.

    Trump, por sua vez, escreveu no Twitter que outra reunião com Kim "seria boa, pois entendemos perfeitamente onde cada um está". A relação entre os líderes "continua muito boa, talvez o termo excelente seja ainda mais preciso", adicionou.

    O tom do presidente contrastava com a postura mais rígida do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que disse antes que queria "deixar um pouco de espaço" para aliviar as sanções a Pyongyang, mas afirmou que as restrições permanecerão em vigor por muito tempo, uma vez que os EUA consideram a Coreia do Norte uma ameaça nuclear.

    Trump e Kim se conheceram pela primeira vez em Singapura no ano passado. Eles concordaram em buscar a paz e a Coreia do Norte se comprometeu a trabalhar em prol da "completa desnuclearização" da península coreana. Nos meses que antecederam as negociações, Pyongyang congelou seus testes de mísseis nucleares e balísticos e demoliu o único local de testes nucleares conhecido.

    A próxima rodada de negociações, realizada em Hanói, no Vietnã, rapidamente se desfez. Os EUA rejeitaram categoricamente a proposta de suspender parcialmente as sanções contra a Coreia do Norte, em troca de garantias adicionais de que Pyongyang não reiniciaria os testes nucleares e de mísseis balísticos.

    O Conselheiro de Segurança Nacional de Trump, John Bolton, mais tarde esclareceu que a Casa Branca achava a ideia de Kim Jong-un de uma "desnuclearização passo a passo" inaceitável também.

    Autoridades norte-coreanas já manifestaram prontidão para retomar o programa de mísseis balísticos e nucleares se os EUA continuarem com sua política agressiva em relação à nação.

    Mais:

    China quer acelerar negociações para criação de área de livre comércio com Japão e Coreia
    Parlamento da Coreia do Norte reelege Kim Jong-un como líder do país
    Kim e Putin em breve? Coreia do Norte aguarda série de visitas de alto nível com russos
    Tags:
    desnuclearização, armas nucleares, negociações, diplomacia, relações bilaterais, KCNA, John Bolton, Mike Pompeo, Kim Jong-un, Donald Trump, Vietnã, Hanói, Coreia do Norte, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar