06:47 25 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Vista de um arranha-céu, do Centro Internacional de Negócios de Moscou, Moscow City, e do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, na capital russa

    Rússia se apresenta como mediador da crise Coreana

    © Sputnik / Maksim Blinov
    Ásia e Oceania
    URL curta
    470

    A Rússia está pronta para trabalhar com todos os países para a solução para a crise na península coreana, disse o diretor do primeiro departamento para a Ásia do Ministério das Relações Exteriores russo Georgy Zinoviev.

    "Estamos prontos para uma estreita coordenação dos nossos esforços com a Coreia do Norte e outros países para diminuir a tensão e reforçar a segurança no nordeste da Ásia", disse ele durante uma cerimônia na embaixada norte-coreana em Moscou.

    O diplomata saudou as medidas adotadas pelas autoridades norte-coreanas para promover a colaboração inter-coreana e estabelecer um diálogo direto com os Estados Unidos.

    Zinoviev também destacou o papel da Rússia em encontrar maneiras de resolver a crise na península coreana por meios diplomáticos.

    EUA e Coreia do Norte realizam negociações no mais alto nível sobre a desnuclearização da Península Coreana, por que o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, já realizaram duas reuniões.

    Durante a primeira reunião, que aconteceu em 12 de junho de 2018, em Cingapura, os EUA e a Coreia do Norte expressaram seu compromisso para a desnuclearização total da península e concordaram em melhorar as relações bilaterais.

    No entanto, a segunda reunião, em Hanói, nos dias 27 e 28 de fevereiro de 2019, terminou antes do previsto e sem acordo.

    Mais:

    Mídia: Coreia do Norte está construindo submarino transportador de mísseis balísticos
    Coreia do Sul exige fechamento de 40 instalações nucleares norte-coreanas
    Poderá Japão reconciliar EUA com Coreia do Norte?
    EUA não planejam aliviar sanções da Coreia do Norte até a completa desnuclearização
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar