12:00 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Indian army soldier. (File)

    Com aumento de violência, Índia envia unidades armadas para fronteira com Mianmar

    © AP Photo / Dar Yasin
    Ásia e Oceania
    URL curta
    120
    Nos siga no

    A Índia enviou mais unidades do Exército indiano nos últimos dias ao longo de sua fronteira com Mianmar, depois que a ameaça de militantes entrando no lado indiano aumentou.

    "Um grande número de tropas já foi implantado na área sensível", disse uma fonte à Sputnik.

    A administração local, disseram as fontes, informou ao governo que há um aumento no nível de ameaça dos militantes que controlam a travessia para o território indiano e facilitam a entrada de refugiados na Índia. As tropas protegerão a fronteira para evitar que tais incidentes aconteçam.

    Fontes disseram à Sputnik que pelo menos duas unidades adicionais do Exército indiano estão sendo enviadas para a fronteira indo-mianmar no distrito de Lawngtlai, no sul de Mizoram, após novos confrontos entre o Exército de Mianmar e o Exército de Arakan.

    Outra fonte disse à Sputnik que cerca de 200 pessoas deslocadas do estado de Chin em Mianmar já se abrigaram em território sob o controle do grupo étnico armado perto da fronteira com a Índia.

    Grandes confrontos ocorreram no mês passado entre o Exército de Mianmar e o Exército de Arakan na região, muito próximo ao estado de Mizoram, nordeste da Índia. Os dois têm se envolvido em sangrentas batalhas pelos últimos dois anos.

    Em dezembro passado, os militares de Mianmar anunciaram um cessar-fogo unilateral com grupos armados no nordeste até abril deste ano.

    No entanto, novos confrontos eclodiram em janeiro, quando o Exército Arakan atacou quatro postos fronteiriços em Buthidaung, apreendendo mais de 40 armas e milhares de cartuchos de munição. Treze policiais e nove outros ficaram feridos no ataque.

    Enquanto isso, o major-general do Exército de Arakan, Tun Myat Naing, em uma mensagem de vídeo, pediu que os arakaneses que vivem no exterior voltassem ao estado de Rakhine para participar do que ele disse ser "um ponto de virada na história da região".

    "Acredito absolutamente que o povo de Arakanã e o Exército de Arakan estão lado a lado", disse o major-general Tun Myat Naing em 10 de fevereiro.

    O governo indiano identificou os Rohingyas, que fugiram do estado de Rakhine em Mianmar em 2017 para a Índia, como uma ameaça à segurança nacional e se recusou a conceder-lhes o status de refugiados.

    Em agosto de 2017, o governo direcionou os governos estaduais a coletar detalhes biométricos para identificar e deportar rohingyas que vivem na Índia. O governo não forneceu o número exato de rohingyas, mas estima-se que pelo menos 40 mil rohingyas tenham atravessado a Índia dispersando-se em diferentes partes do país.

    No início de fevereiro deste ano, Kiren Rijiju, o ministro de Estado para assuntos internos, afirmou no Lok Sabha que o governo tem orientado os estados a conduzir pesquisas e deportar Rohingyas de "maneira contínua".

    Tags:
    Exército de Arakan, Exército de Mianmar, Sputnik, Kiren Rijiju, Tun Myat Naing, Rakhine, Índia, Mianmar, Mizoram, Lawngtlai
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar