12:12 17 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Caça furtivo J-20 voa durante a Exposição Internacional de Aviação e Aeroespacial da China (foto de arquivo)

    'Espaço é livre': China critica EUA por acusarem Pequim e Moscou de buscarem guerra no ar

    © AP Photo / Li Gang/Xinhua
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6180

    Um novo relatório de inteligência dos EUA, que destaca que Rússia e China estariam tentando trazer uma guerra aos céus, provocou a ira de Pequim, que insiste que o espaço não é a "propriedade privada" de Washington.

    "Quero deixar claro que o espaço exterior pertence a toda a humanidade. Não é propriedade exclusiva de nenhum país e especialmente da propriedade privada dos EUA", declarou o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Hua Chunying.

    Ele se referia ao último artigo da Agência de Inteligência Defensiva (AID) do Pentágono.

    Hua criticou os "comentários injustificados e absolutamente infundados" no relatório da AID, dizendo que a China defende o uso pacífico do espaço e se opõe à sua militarização.

    "Por muitos anos", afirmou a porta-voz, "a China, a Rússia e outros países têm trabalhado arduamente e tentando alcançar um instrumento legal internacional para impedir fundamentalmente o armamento ou uma corrida armamentista no espaço sideral".

    O relatório da AID — que acontece em meio aos esforços cósmicos do presidente estadunidense Donald Trump, como o estabelecimento do Comando Espacial — teme que os fãs do domínio americano sejam desafiados em todos os lugares, inclusive no espaço.

    A Rússia e a China "veem o espaço como importante para a guerra moderna e veem as capacidades do espaço como um meio de reduzir a eficácia militar dos EUA e dos aliados", afirma, observando que ambos os países fizeram muito para aumentar suas capacidades.

    "Essas capacidades fornecem seus militares […] com maior consciência situacional, permitindo-lhes monitorar, rastrear e focar as forças dos EUA e aliadas", diz o AID.

    O que não foi dito, no entanto, é que vários líderes militares dos EUA discutiram abertamente a possibilidade de armas ofensivas serem lançadas na órbita da Terra. O ex-chefe do Pentágono, James Mattis, por exemplo, disse em 2017 que os EUA precisam ter armas ofensivas no espaço "caso alguém decida militarizá-lo e entrar na ofensiva".

    Na verdade, Moscou advertiu no início de janeiro que Washington está vendo o espaço como um campo de batalha em potencial. Em particular, o Ministério de Relações Exteriores da Rússia citou planos dos EUA para desenvolver interceptadores baseados no espaço.

    Os EUA, a China, a Rússia e dezenas de outros países são partes do Tratado do Espaço Exterior de 1967, que proíbe que armas de destruição em massa sejam colocadas no espaço e instaladas na Lua ou em qualquer outro corpo celeste.

    Mais:

    Inteligência dos EUA teme capacidades espaciais da Rússia, China, Coreia do Norte e Irã
    Presença da Rússia e China na América Latina é 'desastrosa', diz diplomata dos EUA
    'Bola jogada entre China, EUA, Rússia': política alemã defende criação de exército europeu
    Tags:
    guerra, segurança, defesa, força espacial, espaço, Agência de Inteligência Defensiva (AID), Pentágono, James Mattis, Hua Chunying, Estados Unidos, Rússia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar