15:01 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Lançamento do míssil balístico intercontinental norte-coreano Hwasong-15

    Coreia do Norte quer proteger suas capacidades nucleares, revela relatório da ONU

    © AP Photo / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    411
    Nos siga no

    Os programas de mísseis balísticos e nucleares da Coreia do Norte permanecem intactos e o país está trabalhando para garantir que essas capacidades não possam ser destruídas por qualquer ataque militar, de acordo com um relatório confidencial de monitores de sanções da ONU.

    O relatório para um comitê de 15 membros do Conselho de Segurança da ONU, revelado pela Agência Reuters nesta segunda-feira, vem à frente de uma segunda cúpula planejada entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, no final deste mês. Eles se conheceram inicialmente em junho de 2018 e Kim se comprometeu a trabalhar pela desnuclearização.

    Embora Trump tenha saudado "um tremendo progresso" em suas relações com a Coreia do Norte, o relatório da ONU descobriu que Pyongyang "está usando instalações civis, incluindo aeroportos, para montagem de mísseis balísticos e testes com o objetivo de impedir efetivamente ataques por 'decapitação' contra um número de instalações nucleares e de montagem e fabricação de mísseis".

    O relatório afirma que "encontrou evidências de uma tendência consistente por parte da Coreia do Norte de dispersar seus locais de montagem, armazenamento e testes", usando a abreviação do nome oficial da Coreia do Norte, a República Popular Democrática da Coreia.

    A missão norte-coreana às Nações Unidas não respondeu imediatamente a um pedido de comentários sobre o relatório de 317 páginas da ONU, que foi submetido aos membros do Conselho de Segurança na última sexta-feira.

    O Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade sanções contra a Coreia do Norte desde 2006 em uma tentativa de bloquear o financiamento de programas nucleares e de mísseis balísticos de Pyongyang, proibindo exportações de carvão, ferro, chumbo, têxteis e frutos do mar e limitando as importações de petróleo bruto e produtos petrolíferos refinados.

    Sanções ineficientes

    "O país continua a desafiar as resoluções do Conselho de Segurança por meio de um aumento maciço nas transferências ilegais de produtos petrolíferos e carvão", descobriram os monitores de sanções. "Essas violações tornam as últimas sanções da ONU ineficazes".

    Os monitores disseram que eles tinham evidências de uma transferência proibida de produtos petrolíferos proibidos de mais de 57,6 mil barris, valendo mais de US$ 5,7 milhões.

    Eles disseram que o caso destacou "novas técnicas de evasão de sanções que derrotaram os esforços de diligências do principal comerciante de commodities da região, bem como dos bancos dos EUA e de Singapura que facilitaram os pagamentos de combustível e uma seguradora britânica líder que forneceu cobertura de proteção e indenização a um dos navios envolvidos".

    O relatório acusou a Coreia do Norte de também violar um embargo de armas da ONU e tentar "vender uma ampla gama de equipamentos militares a grupos armados e governos do Oriente Médio e da África", bem como armas pequenas e leves à Líbia, Sudão e aos Houthis que vivem uma revolta no Iêmen.

    Os monitores da ONU também observaram "uma tendência norte-coreana de driblar as sanções financeiras usando ataques cibernéticos para forçar ilegalmente a transferência de fundos de instituições financeiras e trocas de criptomoedas".

    A Coreia do Norte está sujeita à proibição de bens de luxo e os monitores disseram que estão investigando a aparição pública de uma relativamente nova limusine Rolls-Royce Phantom em Pyongyang em 7 de outubro do ano passado, que normalmente é vendida por centenas de milhares de dólares.

    A Rússia e a China sugeriram que o Conselho de Segurança debata um alívio das sanções após Trump e Kim terem se encontrado pela primeira vez. Mas os Estados Unidos e outros membros do conselho disseram que deve haver uma aplicação rigorosa das sanções até que Pyongyang atue em prol da desnuclearização.

    Nesta quarta-feira, o enviado especial dos EUA para a Coreia do Norte, Stephen Biegun, irá a Pyongyang para conversações antes da esperada segunda cúpula entre Trump e Kim, informou o Departamento de Estado nesta segunda-feira. O Vietnã é visto como o local mais provável para a reunião, que deve ocorrer no final deste mês.

    Mais:

    Trump garante destruição do Daesh 'em breve' e vê 'chance' de desnuclearização da Coreia
    EUA veem Rússia como 'parte vital' para a desnuclearização da Coreia do Norte
    CIA e Coreia do Norte têm mantido negociações sigilosas desde 2009, revela mídia
    Tags:
    desnuclearização, cúpula, armas nucleares, diplomacia, sanções, Conselho de Segurança da ONU, Stephen Biegun, Donald Trump, Kim Jong-un, Estados Unidos, Vietnã, Singapura, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar