02:17 26 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    11511
    Nos siga no

    As tropas dos Estados Unidos estacionadas no Japão não representam uma ameaça para a Rússia, afirmou o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe em entrevista à emissora Asahi.

    "As tropas americanas estão posicionadas no Japão para garantir a segurança no Japão e no Extremo Oriente, e não são de forma alguma hostis à Rússia", declarou Abe.

    O primeiro-ministro japonês observou que o havia explicado ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, e expressou esperança de que o líder russo entendesse isso.

    A declaração vem depois que Putin disse em sua conferência de imprensa anual em dezembro que a Rússia não tinha uma ideia clara da extensão da soberania do Japão diante da presença militar dos EUA em Okinawa, apesar dos protestos das autoridades locais e moradores.

    O presidente russo ressaltou que esse foi o fator a ser levado em conta durante a negociação de um tratado de paz com Tóquio.

    A observação seguiu-se ao encontro de Putin com Abe em Singapura em 14 de novembro, quando eles concordaram em avançar as negociações sobre um tratado de paz baseado na declaração conjunta soviético-japonesa de 1956.

    Entre outras coisas, a declaração estipula que o Japão retomará o controle sobre as ilhas Habomai e Shikotan após a conclusão do tratado de paz. Os dois países ratificaram a declaração, mas o Japão se recusou a implementar esses acordos, insistindo na transferência de todas as quatro principais ilhas do grupo Kuril.

    Abe deve visitar a Rússia no final de janeiro.

    Mais:

    Analista avalia probabilidades de assinatura de tratado de paz entre Rússia e Japão
    Rússia e Japão iniciam inéditos exercícios navais no golfo de Áden
    Moderna corveta da Marinha da Rússia treina tiro no mar do Japão
    Tags:
    diplomacia, relações bilaterais, tratado de paz, Shinzo Abe, Vladimir Putin, Ilhas Curilas, Okinawa, Estados Unidos, Japão, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar