20:07 13 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    WhatsApp

    Austrália poderá ser 1º país a forçar mudança do WhatsApp para poder espionar cidadãos

    CC0
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2011

    Austrália se tornará o primeiro país do mundo a forçar o WhatsApp e outros aplicativos a instalar spyware para permitir que agências de segurança leiam as mensagens de cidadãos.

    Em breve, o governo da Austrália estará espionando as mensagens de cidadãos divido a novas leis de segurança nacional que lidam com protocolos de comunicação em apoio ao Parlamento australiano, informa Daily Mail.

    Os aplicativos de mensagens, como o WhatsApp e o Facebook Messenger, são protegidos com criptografia, o que significa que terceiros não podem ler ou ouvir o conteúdo, mas isso será mudado.

    Atualmente os poderes de espionagem estão limitados apenas a "ofensas graves", como a prevenção do terrorismo e o combate ao crime organizado na Austrália. Mas de acordo com as últimas notícias, as empresas serão obrigadas a construir uma nova função para ajudar a polícia a acessar os dados de suspeitos.

    Eles podem ser solicitados a instalar software ou um serviço de modificação no dispositivo dos suspeitos e fornecer informações técnicas, como os protocolos de comunicação. Ademais, o suspeito nem saberia que está sendo espionado, porque a empresa não pode contar isso a ninguém.

    Na terça-feira (4), o Partido Trabalhista Australiano (PTA) e o governo chegaram a um acordo sobre partes importantes do projeto de lei, depois que o PTA solicitou aprovação.

    "As mudanças incluem limitar aplicação dos poderes neste projeto de lei a apenas ofensas graves", disse o procurador-geral da Austrália, Mark Dreyfus.

    Mais:

    Polícia holandesa suspeita de terrorismo em ataque no metrô de Amsterdã
    Reino Unido prende 3 pessoas por suspeita de financiar terrorismo
    Alto funcionário francês é acusado de traição por suspeita de espionagem
    Tags:
    spyware, lei, segurança, WhatsApp, Facebook, Austrália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik