09:56 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldadas norte-coreanas participam de desfile militar em Pyongyang, na Coreia do Norte, para celebrar o 105º aniversário de nascimento de Kim Il-sung, falecido fundador e avô do atual governante Kim Jong-un, 15 de abril de 2017

    9 em cada 10 mulheres: relatório expõe violência sexual na Coreia do Norte

    © AP Photo / Wong Maye-E
    Ásia e Oceania
    URL curta
    617

    Mulheres norte-coreanas são constantemente sujeitas à agressão sexual proveniente de soldados, policiais e guardas penitenciários, informa o novo relatório da Human Rights Watch.

    O documento registra o caso de 54 mulheres que contaram o cotidiano de violências de caráter sexual na Coreia do Norte, onde nove em cada dez mulheres já foram vítimas de "abuso sexual, verbal e físico" por autoridades, cita o jornal Observador.

    Fugidas do país em 2011, quando o líder Kim Jong-un entrou no poder, norte-coreanas relataram os frequentes abusos diários, principalmente mulheres que trabalham em mercados negros. Tais lugares se proliferam no país por ser a grande fonte de renda da maioria das famílias, além de ser considerado o local onde ocorrem as violências sexuais mais chocantes.

    Altos funcionários abusam do poder e agem "com impunidade" e "quando um guarda ou policial 'escolhe' uma mulher, ela não tem outra escolha a não ser concordar com quaisquer exigências que ele faça, quer seja sexo, dinheiro ou qualquer outro favor", segundo a Human Rights Watch.

    A vereadora norte-coreana Oh Jung-hee descreve no relatório que as mulheres eram consideradas "brinquedos sexuais", e que por fazer parte do cotidiano "ninguém pensa nisto como um grande problema", mas que de certa forma isso reflete no psicológico delas. Devido à normalização dos abusos e à indiferença das autoridades, nenhuma vítima acaba prestando queixa.

    As violências acontecem principalmente quando elas atravessam a fronteira entre a China e a Coreia no Norte, tanto para ir ao trabalho quanto para fugir.

    A agricultora Park Young-hee contou que foi violentada pela polícia chinesa ao cruzar a fronteira, onde o agente a tocou "entre as pernas e colocou os dedos" dentro dela "durante vários dias".

    Apesar de a realidade de violação aos direitos humanos ser altamente documentada na Coreia do Norte, mulheres continuam sendo alvo mais vulnerável e preferencial.

    O país asiático tenta camuflar as notícias referentes a abusos e violências sexuais, e, por isso, o relatório busca expor esses escândalos.

    Em declaração ao The Guardian, o diretor-executivo da Human Rights Watch, Kenneth Roth, afirma que "depois deste relatório, a Coreia do Norte não pode dizer que a violência sexual não existe, por isso ou mudam o tom ou resolvem o problema. Kim Jong-un pode parar isto, ele pode reforçar as leis que já existem".

    Mais:

    Papa aceita renúncia de cardeal dos EUA após denúncias de abuso sexual de menores
    Ministério Público do Chile investiga 119 causas de abuso sexual na Igreja Católica
    Como uma nova regra na Polícia tailandesa coloca em risco milhares de vítimas de estupro
    Feministas francesas são zombadas por crer que cartões sexy 'promovem cultura do estupro'
    Tags:
    estupro, crimes contra a humanidade, crimes, mulher, relatório, direitos humanos, autoridades, policiais, violência sexual, violência contra mulheres, abuso sexual, Kim Jong-un, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik