13:50 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira dos EUA perto dos territórios disputados

    EUA planejam grandes exercícios militares no mar do Sul da China e irritam Pequim

    © AFP 2018 / NOEL CELIS/POOL
    Ásia e Oceania
    URL curta
    9118

    Após o dramático encontro de destróieres americanos e chineses no mar do Sul da China, a Frota do Pacífico da Marinha dos EUA quer fazer uma grande demonstração de força na região antes do final do ano.

    Autoridades militares americanas disseram à CNN nesta quarta-feira que a Marinha quer enviar navios de guerra e aviões em novembro para o mar do Sul da China — nas peroximidades das ilhas chinesas — para passar uma mensagem a Pequim.

    No domingo, o destróier USS Decatur estava realizou uma operação chamada pelos norte-americanos de defesa da "liberdade de operação de navegação". A operação consiste em navegar em rotas reivindicadas por Pequim, em desafio à ideia de que o mar e as ilhas do Mar do Sul da China sejam considerados territórios chineses. O Decatur foi confrontado por um contratorpedeiro de classe Luyang da Marinha do Exército de Libertação do Povo Chinês, que ordenou que ele deixasse o território, se aproximando a cerca de 50 metros do Decatur.

    A Marinha dos EUA caracterizou o encontro como "inseguro e pouco profissional".

    Este episódio não é a única provocação recente na região. Na semana passada os EUA enviaram bombardeiros pesados ​​B-52 Stratofortress por rotas através do mar do Sul da China. Essas manobras foram imediatamente seguidas por exercícios conjuntos com aviões japoneses na região.

    Depois desses vôos, que Pequim chamou de "provocativos", advertiu os EUA de que tomarão "as medidas necessárias" para defender os interesses chineses.

    No Instituto Hudson, na quinta-feira, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, alertou a China que os EUA não recuarão apesar das ameaças chinesas e tentativas de intimidação no mar do Sul da China.

    "Apesar desse assédio imprudente, a Marinha dos Estados Unidos continuará a voar, velejar e operar onde quer que a lei internacional permita e nossos interesses nacionais exijam. Não seremos intimidados. Não vamos desistir", disse ele.

    O Ministério da Defesa da China ainda não comentou o relatório, mas um observador diplomático chinês disse ao South China Morning Post que os EUA estavam provocando o confronto, expandindo suas operações no mar para incluir o Estreito de Taiwan.

    Yun Sun, codiretor do Programa Ásia Oriental e diretor do Programa China no Stimson Center, disse ao Sputnik na quinta-feira que a China "estabeleceu um curso de combate às atividades militares dos EUA no [Mar do Sul da China]. Eu duvido que a China mude seu rumo atual ou diminua suas próprias ações quando os EUA fortalecerem suas atividades — isso demonstraria a fraqueza da China e prejudicaria suas posições. Esperamos que ambos os lados se contenham e não deixem as tensões escalarem".

    Observando que um dos beneficiários de tal confronto seria a Rússia, Yun disse que os países do Sudeste Asiático "querem ver um maior comprometimento dos EUA na região, mas eles não querem um conflito entre EUA e China".

    Mais:

    Relatos: navio de guerra dos EUA passa perto de ilhas disputadas no mar do Sul da China
    Japão e EUA conduzem manobras aéreas sobre mar da China Oriental
    EUA enviam mais bombardeiros B-52 a territórios disputados no mar do Sul da China
    Navios de guerra do Japão e Reino Unido fazem exercícios na mar do Sul da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik