04:55 16 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Contêineres de remessa, incluindo o chamado Transporte na China, estão empilhados no Terminal de Contêineres Paul W. Conley em Boston, Massachusetts, EUA, em 9 de maio de 2018

    EUA terão que 'colher os frutos' de sua própria guerra comercial, diz chanceler chinês

    © REUTERS / Brian Snyder
    Ásia e Oceania
    URL curta
    670

    Washington está realizando uma política errônea ao aumentar as tensões comerciais, que acabará prejudicando os Estados Unidos. Assim comentou o chefe da diplomacia chinesa, Wang Yi, sobre a intensificação das medidas protecionistas da Casa Branca, em comunicado publicado na quinta-feira (2) no site do Ministério das Relações Exteriores da China.

    "Estas ações [de Washington] não apenas frustram as expectativas americanas, como também provocará que os EUA terão que colher os frutos de suas próprias atividades", advertiu o chanceler chinês. "Do ponto de vista do progresso histórico, trata-se de um passo na direção equivocada", concluiu o ministro.

    Durante uma coletiva de imprensa no âmbito da cúpula da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN, na sigla em inglês), que começou na quinta-feira (2) em Singapura, o chanceler chinês disse que as recentes tensões entre Pequim e Washington na esfera comercial não podem ser resolvidas através de medidas unilaterais, com base na lei interna dos países envolvidos.

    "Os princípios fundamentais da Organização Mundial do Comércio (OMC) estão sendo violados", afirmou Wang Yi, reiterando que "isso contradiz as tendências do desenvolvimento moderno".

    "Esperamos que aqueles diretamente envolvidos nas políticas comerciais dos EUA possam se acalmar, ouvir atentamente as vozes dos consumidores americanos […] e ouvir o apelo coletivo da comunidade internacional", disse Wang, observando que as medidas de pressão que os EUA usam "não trarão nenhum resultado positivo, nem agora e nem no futuro".

    Pequim alertou os EUA que não fará concessões com suas ameaças de aumento de tarifas.

    Assim, o gigante asiático reagiu à recente declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, que pretende impor tarifas de 25% sobre as importações chinesas no valor de US$ 200 bilhões por ano, após considerar inicialmente 10% de tarifação.

    Mais:

    Trump acusa novamente a China de "práticas comerciais desleais"
    EUA estão preocupados com o poder da China na América Latina
    China estaria criando nova aliança contra EUA?
    China abre as portas para possível acordo comercial com Reino Unido e tenta apaziguar EUA
    Tags:
    guerra comercial, sanções econômicas, medidas econômicas, tarifas, política, Ministério das Relações Exteriores da China, Organização Mundial do Comércio, Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), Donald Trump, Wang Yi, Pequim, China, EUA, Washington
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik