23:30 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    O porta-voz da chancelaria chinesa, Geng Shuang

    Chancelaria chinesa: Pequim vai responder se EUA provocarem escalada da guerra comercial

    © AP Photo / Andy Wong
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4111

    Se os EUA tomarem medidas adicionais para impedir o comércio, Pequim irá retaliar, disse o porta-voz da chancelaria chinesa, Geng Shuang, durante uma coletiva de imprensa realizada hoje (1).

    "A posição da China permanece clara e inalterada: chantagem e pressão por parte dos EUA contra a RPC [República Popular da China] nunca vai funcionar", disse o diplomata.

    Segundo Geng Shuang, "se os EUA tomarem medidas para agravar a situação, a China, indubitavelmente, adotará as contramedidas necessárias para proteger seus direitos e interesses legítimos".

    O responsável fez essa declaração depois de a administração dos EUA ter anunciado que planeja introduzir tarifas tarifas de 25% sobre as importações de bens chineses, no valor total de 200 bilhões de dólares (R$ 750 bilhões).

    No início de abril, os EUA publicaram uma lista de 1,3 mil mercadorias chinesas às quais devem ser aplicadas novas tarifas, como resposta à alegada violação dos direitos intelectuais por parte da China em relação aos produtos americanos. 

    A China, por sua vez, respondeu com a decisão de impor tarifas de 25% sobre um total de 106 produtos importados dos Estados Unidos.

    Em maio, os dois países acordaram em não desencadear uma guerra comercial e não aplicar tarifas mútuas. Entretanto, as partes não conseguiram chegar a acordo sobre as questões comerciais e Washington anunciou novas tarifas.

    Mais:

    China: guerra comercial é de total responsabilidade dos EUA
    Afinal, guerra comercial entre EUA e China será boa ou ruim para o Brasil?
    Washington intensifica guerra comercial e Pequim já pôs em jogo sua arma principal
    Na guerra comercial China poderá sofrer o mesmo destino do Japão?
    Tags:
    guerra comercial, relações bilaterais, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik