07:02 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Wu Haitao, representante permanente adjunto da China perante a ONU, fala em reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, em novembro de 2017

    Breve história de como China se tornou membro da ONU contra vontade dos EUA

    © AFP 2018 / Kena Betancur
    Ásia e Oceania
    URL curta
    13331

    Há 65 anos, as autoridades dos EUA declararam repúdio categórico sobre a ideia de incluir a República Popular da China na ONU.

    Contudo, a China em pouco tempo se tornou um membro das Nações Unidas. A questão de incluí-la era competência da Assembleia Geral e o poder de veto que os EUA teriam no Conselho de Segurança não chegou a ser um obstáculo para seu reconhecimento internacional.

    Em 1945, a China, como um dos países vencedores da Segunda Guerra Mundial, participou do estabelecimento das Nações Unidas.

    Além disso, o país estava dilacerado por contradições internas que se transformaram em guerra civil. Em 1º de outubro de 1949 foi proclamada a República Popular da China sob o poder do Partido Comunista. O governo de Kuomintang, partido nacionalista e conservador chinês, após perder a guerra, foi retirado para Taiwan pelos norte-americanos e ali se fixou.

    "O membro inicial da ONU foi a China, o antigo governo chinês, que logo se moveu para Taiwan", afirmou o diretor do Departamento de Relações Internacionais da Escola Superior de Economia, historiador Dr. Aleksandr Lukin, em entrevista ao RT.

    Com este panorama, o novo governo sediado em Pequim não pensava em se render.

    "Desde a década de 1950, Pequim tem seguido uma política de expansão sistemática do círculo de Estados dispostos a estabelecer relações diplomáticas e a apoiar a ideia da adesão da China à ONU", indicou ao canal RT Vasily Kashin, doutor em ciências políticas e professor da Universidade Estatal de Moscou.

    De acordo com o especialista, Pequim gastava enormes esforços para alcançar a meta. "Apesar de seus próprios problemas econômicos, buscava recursos para ajudar países mais pobres da África e Ásia para obter reconhecimento e apoio internacional", explicou Kashin.

    "Um ponto de inflexão importante chegou em 1971: nessa época, China já tinha uma base crítica de apoio internacional", agregou.

    Em 26 de outubro de 1971 foi adotada a Resolução 2758 (XXVI) da Assembleia Geral da ONU "Restauração dos direitos legítimos da República Popular da China nas Nações Unidas". 76 membros da organização, incluindo a URSS, Índia, Reino Unido, França e a maioria dos países europeus votaram a favor, enquanto que 35 países, liderados pelos EUA, posicionaram-se contra.

    Foi então que Taiwan abandonou a ONU e somente na década de 90 voltou a tentar restabelecer a participação em seu trabalho, mas sem êxito. Pouco depois do reconhecimento da China, o então presidente dos EUA, Richard Nixon, visitou a China continental.

    O número de países que reconhecem a República Popular da China em Taiwan começou a diminuir repentinamente, já que Pequim assumiu uma postura drástica: quando alguém reconhece Taiwan como Estado soberano, a China rompe as relações diplomáticas com ele.

    "Hoje, China é o segundo Estado mais poderoso do mundo e não é rentável não ter relações diplomáticas com ele [país]", finalizou Lukin. 

    Mais:

    Putin na China: Moscou e Pequim devem anunciar acordos, diz Lavrov
    Marinha da China faz exercícios militares no Estreito de Taiwan
    Pentágono: EUA continuarão manobras no mar do Sul da China apesar das objeções de Pequim
    Rússia pretende mais que dobrar o comércio com a China até 2020
    China realiza 5 vezes mais testes nucleares que EUA
    Tags:
    membro asiático, membro, adesão, comunistas, guerra civil, história, Assembleia Geral da ONU, Conselho de Segurança da ONU, Nações Unidas, ONU, Pequim, Taiwan, República Popular da China, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik