08:17 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    O líder norte-coreano, Kim Jong-un (foto de arquivo)

    Por que Kim Jong-un demite altos cargos militares nas vésperas do encontro com Trump?

    © REUTERS / KCNA
    Ásia e Oceania
    URL curta
    591

    Os meios de comunicação sul-coreanos e japoneses relataram a demissão de vários oficiais de alto nível do exército norte-coreano.

    De acordo com as fontes dos respectivos jornais, o chefe do Estado-Maior do Exército, Ri Myong-su, o ministro das Forças Armadas Populares, Pak Yong-sik, e o diretor do Secretariado Político do Exército, Kim Su-gil, deixaram seus postos, escreve o portal russo Gazeta.ru.

    A edição Washington Post, por sua parte, observa que as reorganizações atuais "poderiam refletir a reorganização em curso dentro da liderança militar: eles estão introduzindo quadros mais jovens para substituir líderes mais velhos, que provavelmente têm uma atitude mais negativa para com os Estados Unidos e a Coreia do Sul, aliada de Washington".

    O jornal norte-americano explica essas mudanças de quadros se referindo à próxima cúpula entre o líder norte-coreano e o presidente dos Estados Unidos, que deve ocorrer em 12 de junho e se focar na desnuclearização da península coreana.

    As fontes da agência de notícias sul-coreana Yonhap são da mesma opinião:

    "As mudanças na liderança do exército poderiam estar ligadas ao possível acordo de desnuclearização que o líder Kim Jong-un poderia assinar durante a cúpula com o presidente dos EUA, Donald Trump, em 12 de junho em Singapura", escreve a mídia.

    Konstantin Asmolov, diretor de pesquisa do Centro de Estudos Coreanos do Instituto do Extremo Oriente da Academia Russa de Ciências, rejeita a versão que liga essas demissões e a próxima cúpula:

    "Não é uma questão de demissões, mas de rejuvenescimento da equipe dirigente. As alegações de que Kim cedeu suas posições a Trump e mudou os militares-chave que se manifestavam contra essa política são apenas fantasias dos serviços secretos sul-coreanos."

    Georgy Toloraya, diplomata russo e especialista em assuntos de Oriente Médio, também duvida que a substituição de oficiais importantes no exército seja uma evidência da possível luta de Kim Jon-un contra os oponentes de sua reconciliação com os EUA. Ao mesmo tempo, ele acredita que esta iniciativa persegue certos objetivos relacionados à futura cúpula.

    "A reação natural é pensar que Kim Jong-un está tentando combater a resistência dos militares que se opõem ao seu processo de paz com os EUA, porque eles entendem a sua incapacidade de defender o país sem armas e protestam contra a cedência do arsenal nuclear. Isso explicaria sua demissão por parte de Kim Jong-un", disse ele.

    Para mais, ele acrescentou:

    "Por outro lado, o objetivo dessas substituições demonstrativas poderia ser mostrar aos americanos que Kim Jong-un está enfrentando muitas dificuldades em relação à sua recusa das armas nucleares. Os negociadores norte-coreanos poderão dizer: ‘Estão vendo, já estamos fazendo o máximo de concessões e o exército está muito insatisfeito, até fomos forçados a demitir seus líderes. Se cedermos mais posições, o exército poderia revoltar-se e vocês enfrentariam um regime muito mais agressivo do que o poder atual."

    Mais:

    Trump diz ter tido 'conversas muito produtivas' com Coreia do Norte
    Pyongyang pode confiar que Washington não atacará após desnuclearização da Coreia?
    China continua incentivando encontro entre EUA e Coreia do Norte
    Tags:
    demissão, general, tropas, exército, Kim Jong-un, Donald Trump, EUA, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik